Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Sérgio Rodrigues e Everaldo Norões vencem prêmio de literatura

Cerimônia foi realizada no Rio de Janeiro

Maria Fernanda Rodrigues e Roberta Pennafort, O Estado de S. Paulo

08 de dezembro de 2014 | 21h01

Atualizado às 21h45

RIO - O jornalista Sérgio Rodrigues é o grande vencedor do 12.º Prêmio Portugal Telecom, que anunciou seus vencedores na noite desta segunda-feira, 8, em cerimônia no Rio de Janeiro. Com O Drible (Companhia das Letras), ele ganhou na categoria romance (R$ 50 mil) - e seu livro ainda foi considerado o melhor desta edição do prêmio, o que lhe rendeu outros R$ 50 mil. Neste caso, ele concorreu com Everardo Norões, que ganhou em contos/crônicas com Entre Moscas (Confraria do Vento), e com o português Gastão Cruz, que teve Observação do Verão Seguido de Fogo (Móbile Editorial), premiado na categoria poesia. Os dois também ganharam R$ 50 mil cada um.

"Para mim, é o grande prêmio de literatura do Brasil. A gente está vivendo um momento muito rico da literatura brasileira e prêmios como esse são importantes nesse cenário. A literatura brasileira é um segredo nosso mas está sendo mais traduzida. É emocionante ver o Brasil se fazer conhecer. Meu livro tem uma dimensão política e fico querendo dar  uma nota política nessa hora, que é a da educação. A sociedade brasileira só vai dar um salto quando tiver educação pública de qualidade", disse Sergio ao receber o prêmio.

Aos 52 anos e com sete livros publicados, Sérgio Rodrigues foi finalista, este ano, dos principais prêmios literários - o Jabuti e o São Paulo. Deu mais sorte agora com sua história que entrelaça um drama familiar e o futebol. A ideia de O Drible, ele contou em entrevista quando o livro foi lançado, em 2013, surgiu primeiro num conto, que foi excluído de sua obra de estreia O Homem Que Matou o Escritor, de 2000, porque o autor viu que ele renderia algo maior. Outros títulos vieram ao longo dos anos, como Elza, A Garota, e nada dessa história sair do papel.

Em 2012 ele se obrigou a escrever e um ano depois o livro era lançado e virava sucesso de crítica e público. O Drible é narrada por um pai, Murilo Filho, um cronista esportivo que aos 80 anos é desenganado pelos médicos, e seu filho - de quem ele quer se reaproximar. O elo é o futebol. Em março, a obra será lançada na França, o que torna Sérgio Rodrigues um dos autores cotados para integrar a comitiva brasileira que participará do Salão do Livro de Paris, que terá o Brasil como país homenageado - o anúncio da lista será feito hoje pela manhã. Concorreram com Rodrigues Veronica Stigger, vencedora do Prêmio São Paulo, Carlos de Brito e Mello e Gonçalo M. Tavares.

Na categoria conto/crônica, o cearense Everardo Norões, de 70 anos, que também foi finalista do Jabuti, desbancou nomes como Luís Henrique Pellanda, Antonio Prata e Alexandra Lucas Coelho, e Entre Moscas, lançado discretamente, foi considerado o melhor livro do gênero publicado no Brasil em 2013. A obra traz contos sobre a desumanidade que o autor enxerga nas pessoas e nas relações atuais.

"Sou mais poeta do que contista, então ser premiado com um livro de contos é muito bom. Especialmente no ano do centenário de um dos maiores contistas brasileiro, pouco conhecido, que é Moreira Campos", afirmou Everaldo.

Já em poesia, o vencedor foi o português Gastão Cruz - podem concorrer autores lusófonos com obras editadas aqui e nesta edição quatro portugueses chegaram à final. Aos 73 anos, ele venceu com Observação do Verão Seguido de Fogo, que reúne seus dois livros mais recentes. No páreo estavam Ana Luísa Amaral, Zuca Sardan e Guilherme Gontijo. "Eu vejo esses prêmio como uma atenção especial dada à poesia portuguesa. Tendo eu começado a publicar no remoto ano de 1961, a minha poesia surgiu num momento de importância na poesia portuguesa que são aquelas décadas de 40,50 e 60.", cravou Gastão.

GANHADORES

Romance

O Drible (Companhia das Letras), do brasileiro Sérgio Rodrigues

Conto/Crônica

Entre Moscas (Confraria do Vento), do brasileiro Everaldo Norões

Poesia

Observação do Verão Seguido de Fogo (Móbile Editorial), do português Gastão Cruz

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.