EFE/Juan Carlos Hidalgo
EFE/Juan Carlos Hidalgo

Sergio Ramírez dedica Prêmio Cervantes a manifestantes mortos na Nicarágua

Escritor nicaraguense é uma das vozes mais críticas ao presidente Daniel Ortega

AFP

23 Abril 2018 | 10h21

O escritor nicaraguense Sergio Ramírez dedicou o Prêmio Cervantes, que lhe foi concedido nesta segunda-feira, 23, na Espanha, à memória dos "manifestantes assassinados" em seu país em violentos protestos contra uma polêmica reforma previdenciária.

Ao receber o prêmio, considerado o Nobel das letras hispânicas, na Universidade de Alcalá, perto de Madri, Ramírez afirmou que seus compatriotas foram assassinados nas ruas do país por "reclamar justiça e democracia".

Também homenageou "os milhares de jovens que continuam lutando sem armas por seus ideais de que a Nicarágua volte a ser uma República".

O ganhador do Prêmio Cervantes — o primeiro dado a um centro-americano — e autor de Margarita, Está Linda La Mar e Adiós Muchachos, Ramírez, 75 anos, participou no domingo, em Madri, de uma manifestação contra a repressão na Nicarágua.

Membro de um grupo de intelectuais e líderes civis contra a ditadura de Anastasio Somoza, foi vice-presidente de Daniel Ortega durante a Revolução Sandinista, entre 1985 e 1990.

Mas se distanciou do presidente e agora é uma das vozes mais críticas ao presidente.

A Nicarágua vive uma onda de violentos protestos, saques e choques com a polícia, que deixaram ao menos 25 mortos.

Buscando acalmar os ânimos, o presidente Daniel Ortega anunciou que vai reverter a reforma. No entanto, uma nova manifestação está marcada para esta segunda-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.