La Primera Palabra/Divulgação
La Primera Palabra/Divulgação

Sem acordo, editoras lançam duas traduções de 'Paradiso', de Lezama Lima

Martins e Estação Liberdade alegam que adquiriam os direitos da obra do romancista e poeta cubano e querem honrar o contrato

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S. Paulo

11 Setembro 2014 | 20h10

Na melhor das hipóteses, o leitor brasileiro poderá, a partir da próxima semana, escolher entre duas traduções do romance Paradiso, do cubano José Lezama Lima (1910-1976): a de Josely Vianna Baptista, feita para a Estação Liberdade, ou a de Olga Savary, encomendada pela Martins. Mas a obra do poeta e romancista não está em domínio público para que novas traduções saiam assim à vontade.


A história é complicada. Angel Bojadsen, diretor editorial da Estação Liberdade, comprou os direitos do título em 2006 diretamente da irmã do escritor, Eloísa Lezama Lima. Foi nessa época que Josely, que já tinha traduzido a obra para a Brasiliense em 1987, iniciou uma nova versão (os direitos daquela primeira edição também foram comprados de Eloísa). Antes disso, porém, em 1983, os direitos de Lezama Lima passaram para o Estado cubano, já que ele não deixou testamento. E desde 1997, a Agencia Literária Latinoamericana é responsável pelas negociações estrangeiras. Foi com essa agência que o editor Evandro Martins Fontes fez negócio em 2011. Ou seja, os dois têm contratos assinados e querem honrar seus compromissos.

A edição da Martins, feita em menos tempo, já começou a ser vendida. A da Estação Liberdade, que traz textos da irmã do autor, está em gráfica e deve ficar pronta na próxima semana. 

Bojadsen chegou a sugerir uma coedição, mas, segundo Martins explicou, o contrato que fechou com a agência literária não permitia isso ou a cessão dos direitos. “Este tipo de solução seria complicado, pois teríamos que ter o aceite de todas as partes, inclusive do governo cubano e do sobrinho do Lezama Lima”, diz. O editor tentou, primeiro com Josely Vianna Baptista e depois com a própria editora, os direitos da tradução. “Como não consegui, contratei Olga Savary, que está com mais de 80 anos e vibrou com o trabalho.”

Verter Paradiso não é simples. No romance barroco – e quase autobiográfico –, o poeta experimenta com a linguagem para contar a história do também poeta José Cemí – da infância asmática à descoberta da vocação.

Hoje, Angel Bojadsen se arrepende de ter investido tanto tempo no processo de edição. Ele conta que quando a Martins anunciou a obra, sua versão não estava totalmente pronta. “Ainda estávamos debatendo detalhes com a Josely, que é extremamente meticulosa e reviu a tradução até os últimos detalhes. Combinamos de lançar apenas quando considerássemos a edição à altura da obra-prima de Lezama Lima”, explica. E completa: “Mas eu devia ter dado prioridade total e publicado a obra em 2007 ou 2008, neste caso não teria havido polêmica possível. Mas hoje a editora está em outro momento e decidimos abordar a literatura latino-americana de forma mais endêmica e continuada. Lançar Lezama Lima naquela época seria lançá-lo meio solitário em nosso catálogo”.

Cada uma das editoras mandou imprimir 2 mil exemplares da obra. “De minha parte, Paradiso é tão fundamental e fundador para a literatura latino-americana que comporta duas traduções em nosso mercado”, diz Bojadsen. Evandro Martins Fontes não concorda e disse que poderá tomar medidas legais. “Sou a favor do estado de direito. Não é legalmente possível que duas editoras tenham direitos exclusivos para uma mesma obra.” 

Na tarde da quinta-feira, 11, a Agencia Latinoamericana acompanhava a movimentação e confirmou, em e-mail enviado pela diretora Wanda Canals à editora com quem fechou negócio, que a instituição é mesmo a detentora dos direitos da obra do cubano. Canals se colocou à disposição da Martins para o que fosse necessário. 

Paradiso

Autor: José Lezama Lima

Tradução: Olga Savary

Editora: Martins (624 págs., R$ 84,90)

Paradiso

Autor: José Lezama Lima

Tradução:  Josely Vianna Baptista

Editora: Estação Liberdade (616 págs., R$ 74)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.