Divulgação
Divulgação

Romance 'Dois Irmãos' ganha versão para os quadrinhos

Obra é adaptada pelos gêmeos Fábio Moon e Gabriel Bá

Ubiratan Brasil, O Estado de S. Paulo

24 Março 2015 | 03h00

A literatura de Milton Hatoum é tão sedutora que não impede o rompimento de barreiras - apesar de soar como uma tarefa quase impossível, o romance Dois Irmãos já foi adaptado para o palco, prepara-se para ganhar a tela do cinema e agora chega em uma caprichada adaptação para os quadrinhos, realizada pelos irmãos gêmeos Fábio Moon e Gabriel Bá, em edição da Companhia das Letras.

A obra, já disponível nas livrarias brasileiras, foi lançada internacionalmente no fim de semana durante o Salão do Livro de Paris, evento que reuniu o romancista e os quadrinistas para um debate.

Foram quatro anos de trabalho em um desafio lançado em 2009, quando, durante a Festa Literária Internacional de Paraty, a Flip, Moon e Bá conversavam descompromissadamente com Hatoum até que André Conti, editor da Companhia, notou que os artistas eram gêmeos como os personagens do romance. “Por que não levam a história para os quadrinhos?”, incitou Conti.

Não se tratava de um desafio qualquer - publicado em 2000, Dois Irmãos é um dos mais elogiados romances de Milton Hatoum e acompanha o conflito entre os gêmeos Omar e Yaqub, descendentes de libaneses que vivem na Manaus da primeira metade do século passado. Filhos de Halim e Zana, eles enfrentaram uma grave discordância ainda meninos, divididos pelo interesse por Livia, o que provocou uma cisão familiar. 

Omar e Yaqub também são suspeitos de um deles ser o pai de Nael, filho de Domingas, a índia que é a empregada da casa. É sob o ponto de vista de Nael que a trama é narrada, história que, graças ao talento de Hatoum, ultrapassa a semelhança com a diferença bíblica entre Caim e Abel para, sob os ecos da floresta, tratar de ancestrais origens indígenas, da brutalidade da colonização, das vivências dos avós imigrantes e dos conflitos provocados pela passagem do rural para o urbano.

“Nesses quatro anos de trabalho, lemos o romance ao menos três vezes antes de começarmos os primeiros rascunhos”, conta Moon. “Queríamos interiorizar o ritmo da história, o clima da cidade.” A leitura, no entanto, não foi suficiente e os gêmeos embarcaram para Manaus a fim de descobrir pessoalmente, durante uma semana, a arquitetura que Hatoum recria de forma ao mesmo tempo crítica e carinhosa.

“Concentramos nossa pesquisa no centro da cidade, onde se passa boa parte do romance, um local que ainda apresenta resquícios dos anos 1920 e 30”, comenta Bá. O passo seguinte foi definir qual seria o traço mais adequado e como seriam divididos os capítulos. A opção pelo preto e branco foi quase imediata, a fim de apresentar Manaus por meio de um jogo de luz e sombras, o que ressalta a dramaticidade.

Logo que retornou do Amazonas, a dupla conversou com Hatoum, pois eles sentiam que a cidade do livro se transforma quase como um sonho. “E era importante captar esse clima”, justifica Bá. Os gêmeos também apresentaram ao escritor seus planos de como pretendiam registrar a casa e também os personagens.

“Milton foi muito generoso e nos incentivou, mas fez um importante reparo em relação a Zana”, conta Moon. “Pensávamos em uma mulher sensual, quase uma cigana, mas ele destacou que Zana é muito mais a mãe dos gêmeos que a mulher de Halim.”

O recado era claro: o clima era mais sensual que vistoso e a paixão de Halim pela mulher deveria ser preponderante. “Milton até nos mostrou fotos de família que nos ajudaram a construir os traços físicos mais importantes”, completa Moon.

Durante o período de criação, a dupla trabalhou simultaneamente com outros projetos até se decidir concentrar o foco em Dois Irmãos. Afinal, era um projeto inédito em sua carreira - até então, Bá e Moon criaram histórias em sua maioria com final feliz, mas, dessa vez, a tragédia familiar apontou para novos caminhos. 

A adaptação da obra de Milton Hatoum é o primeiro trabalho de Gabriel Moon e Fábio Bá desde Daytripper, série vencedora do prêmio Eisner de 2011, o mais importante da indústria dos quadrinhos. E o escritor aprovou o resultado final. “Quando observou o trabalho final, Milton parecia estar admirando fotos do passado”, conta Moon. “Foi como entrar em seu mundo imaginário, que ele reconheceu em nossos desenhos”, completa Ba.

DOIS IRMÃOS

Autores: Fábio Moon e Gabriel Bá

Editora: Companhia das Letras (232 págs., R$ 39,90) 

Mais conteúdo sobre:
Dois Irmãos literatura quadrinhos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.