AP Photo
AP Photo

Raymond Chandler e Agatha Christie também sabiam como fazer rir

Dois dos contadores de histórias mais famosos da ficção policial tiveram 'trabalhos obscuros' publicados esta semana

Agências, Associated Press

05 de outubro de 2020 | 13h58

NOVA YORK - Dois dos mais famosos contadores de histórias da ficção policial, Raymond Chandler e Agatha Christie, também sabiam como fazer rir.

   

Chandler, além das narrativas concisas e cínicas de romances de Philip Marlowe como The Big Sleep (À Beira do Abismo em português) e The Long Goodbye (O Perigoso Adeus), foi capaz de zombar de sua própria vida. Seu raramente visto Advice to an Employer (Conselhos para um empregador) é uma lista de sugestões de como você pode arruinar o dia daqueles que estão presos em sua folha de pagamento, incluindo "Se você não conseguir encontrar nada, apenas ruja" e "Sempre diga à sua secretária que você não tem nada a ditar até a hora do jantar. Em seguida, recite um monte de cartas que você deixou desde domesday" (registro abrangente da extensão, valor, propriedade e obrigações de terras na Inglaterra, feito em 1086 por ordem de William I).

   

O detetive de Christie, Hercule Poirot, desfruta de um feriado divertido na história de 1923 Christmas Adventure (A Aventura de Natal), apenas agora sendo lançada nos Estados Unidos. É uma história descontraída de uma reunião de Natal e uma tentativa frustrada de enganar o detetive astuto. Quando um convidado o chama, "Desça imediatamente, por favor. Alguém foi morto", Poirot responde calmamente: "Ah, isso é sério".


 

Ambas as peças aparecem na nova edição da Strand Magazine, uma publicação trimestral que publicou trabalhos obscuros de John Steinbeck, Mark Twain e William Faulkner, entre outros. O foco da revista é o crime e o mistério, mas o editor-chefe Andrew Gulli disse que queria oferecer algum alívio durante a pandemia de coronavírus em curso. "Decidimos no início que precisávamos publicar uma edição que oferecesse algo alegre para nossos leitores", disse Gulli.

 

A peça de Christie, a base para o mais longo A Aventura do Pudim de Natal, originalmente fazia parte de uma série chamada As Pequenas Células Cinzentas de Hercule Poirot. De acordo com Tony Medawar, produtor do Festival Internacional Agatha Christie (em Devon, Inglaterra), Christie provavelmente utilizou sua própria infância para criar uma atmosfera lúdica, com as crianças mostrando irreverência para o detetive supostamente mundialmente famoso.

   

A Aventura de Natal também está aparecendo na coleção da Christie Midwinter Murder (Assassinato de Inverno), que será lançada em 20 de outubro.

   

"A Aventura de Natal é uma história particularmente alegre", diz Medawar. "Agatha Christie é conhecida pelo rigor e engenhosidade com que construiu um mistério e deixou pistas para o leitor atento detectar, e muitas vezes é esquecido o quanto de humor há em suas histórias, mesmo em seus contos mais sombrios de assassinato e caos."

   

Conselhos para um empregador de Chandler, de acordo com a estudiosa do autor, Dra. Sarah Trott, provavelmente foi escrito no início dos anos 1950, quando Chandler contratou uma secretária particular, Juanita Messick. Chandler sofria de depressão há muito tempo, mas parecia à vontade com Messick. Dirigindo-se a ela como 'Nita', Chandler enviaria suas notas humorísticas, por volta do fim de semana da Páscoa de 1951: "O escritório estará fechado quinta e sexta-feira. Na sexta-feira, você deve ir à igreja por três horas. Na quinta-feira, você terá que ser guiada por sua consciência, se houver."

   

“Os dois permaneceram bons amigos mesmo depois que ela deixou de trabalhar para ele e continuou a dar apoio ao escritor doente, ajudando a organizar o funeral de sua esposa Cissy em janeiro de 1955 e apoiando-o no alcoolismo, hospitalização e várias tentativas de suicídio até sua morte em março de 1959”, escreve Trott em um posfácio que aparece na Strand Magazine.

   

Conselhos para um empregador nos mostra duas facetas significativas da personalidade de Chandler que aumentam nossa compreensão do autor", escreve Trott. “Embora ilustre seu famoso humor e sagacidade, também mostra um lado muito mais pessoal e humano. Esse tom alegre e provocador raramente é visto na correspondência pessoal de Chandler. A guarda de Chandler caiu completamente, permitindo-nos ver por trás da cortina."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.