Walter Craveiro Divulgação
Walter Craveiro Divulgação

Projeto de Mário de Andrade faria Brasil renascer de si mesmo, diz Wisnik na Flip

Na conferência de encerramento da Flip, professor da USP abordou ainda a 'tão falada (pelos outros) homossexualidade’ do escritor

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S. Paulo

05 Julho 2015 | 18h49

Ao longo dos últimos dias, Mário de Andrade apareceu aqui e ali nas mesas de debate da Flip – e não apenas naquelas dedicadas a discutir os múltiplos aspectos do pensamento do autor homenageado este ano. Ontem, José Miguel Wisnik, professor de literatura, teve a missão de juntar os pedaços desse Mário escritor, modernista, pensador da cultura e do País, na conferência de encerramento da Flip. O público gostou e aplaudiu muito quando Wisnik resumiu o projeto de Mário e o conectou com o Brasil de hoje.

“Vamos ler, hoje, o projeto de Mário para a educação como sendo aquilo que nenhum partido tem assumido com vontade política suficiente e que resulta desta visão da conjunção do melhor e do pior do Brasil, que seria educação e cultura como luxo para todos. Este é o projeto subjacente que faria o Brasil renascer de si mesmo. Essa é a crença de alguém que acredita que somos um povo criador e que seria capaz de proezas civilizacionais incríveis se algum gênio do óbvio oculto tivesse a capacidade de juntar esses dois fios, educação e cultura, em vez que fazer tudo como agora para jogar a juventude pobre, negra e mestiça no esgoto das prisões”, disse. 

Ele respondeu ao aplausos cantando os versos de Garoa do Meu São Paulo: “Um negro vem vindo, é branco! / Só bem perto fica negro / Passa e torna a ficar branco”. E, assim, encerrou sua fala e abriu espaço para a reprodução de trecho do áudio em que Mário de Andrade canta – primeiro registro da voz do autor de Macunaíma, divulgado recentemente e antecipado pelo Estado.

Antes disso tudo, porém, Wisnik deu uma aula sobre o intelectual e suas ambivalências. “Sua dualidade é questão fundamental. Mário viveu às voltas com as contradições dele mesmo e que são as contradições do Brasil.” O conferencista comentou que nem sempre é interessante relacionar obra e biografia de um escritor, mas que neste caso há um entrelaçamento e sua vida se torna uma espécie de testemunho. Segundo Wisnik, Mário, era membro de uma “família que guarda o segredo inconfessável do Brasil”. Neto de político e de filha de uma lavadeira, “Mário era mulato, feio. Como se tudo o que a família calava viesse à tona nele”, disso.

Wisnik falou sobre a relação entre ele e Oswald de Andrade – seus “chistes obscenos e agressivos” reproduzidos na Revista de Antropofagia: Miss Macunaíma, boneca de piche, etc. E comentou, claro, a recém-divulgada carta enviada por Mário a Manuel Bandeira, em que ele aborda a sua “tão falada (pelos outros) homossexualidade”. 

“Ela foi esperada como fosse revelar a quem foi dedicado o poema Girassol da Madrugada, quem era aquele amor homoerótico que está tão bem expresso ali. No entanto, o que ela traz é um comentário sobre a vida sexual em tempos de misérias, onde a pessoa pode ser apenas um modelo sexual que já está formatado.”

O conferencista citou Lacan: “Ele diz que ninguém sabe a vida sexual de ninguém e o resto é fofoca. O sexo é esse impenetrável. É isso o que a carta está dizendo”. No texto, ressalta Wisnik, Mário fala muito sobre o ridículo de se fazer intrigas com relação a isso. “E quando escreve Poemas da Amiga também tentam adivinhar quem é ela. Ou seja, a fofoca não está apenas ligada à homossexualidade, mas à sexualidade”, completa..

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.