Maria Fernanda Rodrigues/Estadão
Maria Fernanda Rodrigues/Estadão

'Projeto de lei com preço fixo no nome já nasce morto', diz ministro da Cultura

Sérgio Sá Leitão afirma na Flip que é preciso repensar estratégia

Maria Fernanda Rodrigues, Enviada especial a Paraty

30 Julho 2018 | 06h00

PARATY - Demanda antiga das pequenas e médias livrarias e, desde 2014, abraçada com mais força pelo Sindicato Nacional de Editores de Livros (Snel), uma possível lei do preço fixo do livro surge, acredita o mercado, como uma das poucas coisas que podem protegê-lo neste momento de crise – que segue se agravando com grandes redes pedindo prazos ainda mais longos para acertos atrasados.

Em Paraty, o ministro da Cultura Sérgio Sá Leitão, que se reuniu recentemente com representantes do mercado – recebidos, depois, por Michel Temer –, disse ao Estado que é preciso repensar a estratégia. “Falamos para eles que um projeto de lei que tem no nome ‘preço fixo’ já nasce morto. Precisamos começar de novo, e pode até ter um mecanismo parecido, mas temos de caracterizar de outra forma. E é errado definir como preço fixo. Parece que o Estado vai estipular o preço, que vai ter a Sunab do livro.”

+++ Mercado editorial volta a pensar em fixar o preço dos lançamentos

Uma lei assim, que existe na França e em outros países, prevê que num determinado período após o lançamento, o livro vai custar exatamente o mesmo valor, definido pela editora, na livraria da esquina, na Saraiva ou no site da Amazon, por exemplo. Hoje, grandes redes ganham mais desconto das editoras na hora da compra e têm a chance de vender mais barato.

+++Editoras independentes consolidam presença na Flip

Sá Leitão contou que está sendo criado um grupo de trabalho com representantes d0 mercado que vai ter 90 dias para formular a minuta de um projeto de lei ou de medida provisória ou então uma política de regulação do mercado editorial.

As entidades do livro apostam mesmo numa proposta, já em análise, de medida provisória que insira essa demanda na Lei do Livro, o que teria um processo de aprovação mais fácil e ágil – talvez ainda esse ano, comenta-se nos bastidores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.