Programação gratuita reúne artistas em livraria de São Paulo

Evento terá literatura, cinema e música na madrugada

Guilherme Sobota, O Estado de S. Paulo

06 de novembro de 2014 | 17h50

Com o mote “Crie Futuros”, o projeto Vira Cultura, evento promovido pela Livraria Cultura, volta ao Conjunto Nacional neste fim de semana, entre sábado e domingo.

A livraria promete uma programação gratuita e variada por 28 horas seguidas. Dividido entre oito “pilares”, da literatura ao cinema, passando pela música e pelo teatro, o espaço sedia pocket shows, debates, sessões de autógrafos, exposições, exibições de filmes, entre outras atividades - incluindo um desfile de cosplayers. Como preparação, durante esta semana, cadernos ficaram disponíveis na livraria para pessoas anotarem ideias para o futuro: o resultado será analisado e discutido pela consultora da ONU, Lála Deheinzelin.

Às 15h deste sábado, o grupo Chorus Brasil inicia a programação do Vira Cultura com suas versões particulares de clássicos do pop - logo em seguida, Ney Matogrosso conversa com o cineasta Joel Pizzini sobre o filme Olho Nu.

Também no espaço principal da livraria, o diretor português Miguel Gonçalves Mendes (de José e Pilar) divide uma mesa com o escritor angolano Valter Hugo Mãe e com a cartunista Laerte Coutinho (que escolheu o artigo feminino), depois de uma exibição de um trecho do novo projeto do diretor: O Sentido da Vida. O filme, em produção, pretende acompanhar um homem portador de paramiloidose, síndrome genética rara transportada à América pelos portugueses ainda na época dos descobrimentos, pelo mesmo trajeto que a doença percorreu (Portugal, Brasil, Índia).

No site do projeto, Mendes afirma o que o título sugere: o filme quer encontrar o sentido de tudo por aqui. Para isso, além desse personagem central, o documentário também retrata o cotidiano de sete personalidades que o diretor chama de “heróis da contemporaneidade”, entre eles, Valter Hugo Mãe, “arquétipo do escritor”. Amanhã, às 21h30, os três conversam e exibem um trecho do filme em que Mãe conversa com Laerte em um restaurante em São Paulo, sobre “o amor, a vida e a morte”.

Contatado pela reportagem do Estado, Mendes estava reunido com Hugo Mãe e Laerte na Casa de Francisca, uma casa de shows nos Jardins, bairro da capital paulista. Eles gravavam uma cena junto a Giovani Brisoto - herói do filme, escolhido recentemente, de Erechim (RS) - e comemoravam o aniversário de Brisoto, que completou 28 anos ontem. O filme fica pronto em 2017.

Também no sábado, após o bate-papo, Valter Hugo Mãe autografa a edição brasileira de O Paraíso São os Outros, seu livro mais recente e com edição especial da Cosac Naify, com imagens do artista plástico paulistano Nino Cais. O livro é narrado por uma menina que analisa com “ingenuidade convicta”, segundo Hugo Mãe, os relacionamentos afetivos dos adultos. O romance, explica, é um contraponto à ideia sartriana de que “o inferno são os outros” e foi inspirado pelas imagens de Cais.

“Estava em causa essa problematização do preconceito em relação ao outros, esse estigma que o Sartre deixou, eu sempre pensei o contrário”, diz o escritor. “Acredito que o humano começa no outro”, verbaliza, ilustrando a ideia que perpassa sua obra, especialmente o romance mais recente, A Desumanização.

Ainda durante o sábado, mais cedo, às 19h, três profissionais do mercado editorial independente - João Varella, Bia Bittencourt e Douglas Utescher - conversam sobre esse nicho, com mediação da repórter do Caderno 2 Maria Fernanda Rodrigues.

A partir das 23h, o Teatro Eva Herz, anexo à Livraria, recebe pocket shows de Adriano Cintra, Tiê (1h) e Naná Rizzini (2h). Nessa faixa horária, a banda cover Echoes Pink Floyd (meia-noite) e a Suíte Francesa (3h) tocam no salão principal. A programação musical se encerra no domingo, às 19h, com Paulinho Boca de Cantor e Luiz Galvão cantando os sucessos dos Novos Baianos.

A tarde e a noite do domingo recebem diversas mesas sobre literatura e suas relações com outras artes, como teatro e música, com convidados como Xico Sá, Paulo Scott, Ricardo Lísias, Pedro Bandeira, Drauzio Varella e Zeca Camargo.

Com seus 70 anos recém comemorados, o polivalente Nelson Motta conversa com o público às 17h do domingo. 

O evento marca o lançamento dos primeiros volumes da obra completa de José Saramago, pela Companhia das Letras.

VIRA CULTURA

Livraria Cultura. Av. Paulista, 2073, 3170-4033. Das 15h, de sáb., 8, às 20h de dom., 9. Retirada de ingressos com antecedência de 1h.

DESTAQUES

Ney Matogrosso

O músico conversa com o cineasta Joel Pizzini sobre o filme Olho Nu, às 16h do sábado.

O Sentido da Vida

Miguel Gonçalves Mendes, Valter Hugo Mãe e Laerte Coutinho dividem um bate-papo com o público, às 21h30 de sábado.

Charles Chaplin

Luzes da Ribalta, de 1952, passa à 1h30 do domingo - outros clássicos também serão exibidos no Cinema da Livraria.

Novos Baianos

Paulinho Boca de Cantor e Luiz Galvão, da formação original dos Novos Baianos, fazem um pocket show às 19h do domingo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.