HUMBERTO BRITO
HUMBERTO BRITO

Presença lusófona na Flip ganha reforços e terá casa especial

Djaimilia Pereira de Almeida, Pilar del Río e o rapper Luaty Beirão foram confirmados na programação

Guilherme Sobota, O Estado de S. Paulo

05 Maio 2017 | 18h13

A jovem escritora angolana-portuguesa Djaimilia Pereira de Almeida foi confirmada para a próxima Festa Literária Internacional de Paraty (Flip) – Djaimilia (1982) apareceu na cena literária lisboeta em 2015 com Esse Cabelo, livro que mistura ficção e memória para refletir sobre identidade. A presença da autora se soma a outros pensadores lusos que estarão na Flip: o tradutor Frederico Lourenço, a jornalista e presidente da Fundação José Saramago, Pilar del Río, e o rapper e ativista Luaty Beirão. Um novo espaço, a Casa Amado e Saramago – patrocinada pela Fundação, pelo Ministério da Cultura de Portugal em parceria com a Fundação Jorge Amado – vai oferecer uma programação paralela durante o evento, que este ano ocorre de 26 a 30 de julho em Paraty.

Esse Cabelo chega em junho pela Leya, com o subtítulo A Tragicomédia de Um Cabelo Crespo Que Cruza a História de Portugal e Angola. Uma frase no primeiro capítulo diz: “Talvez o livro do cabelo esteja já escrito, problema resolvido, mas não o livro do meu cabelo”. A autora explica. “O livro nasceu da consciência de que havia alguma coisa que transcendesse a importância da minha história, e atingisse as pessoas”, diz, por telefone, de Lisboa. “A história do cabelo só começa a importar quando deixa de ser a história daquele cabelo para ser algo que toque outras pessoas.” Sua ideia foi usar essa parte do corpo para investigar a construção da identidade de uma angolana que foi muito jovem para Portugal, e como migrações desse tipo impactam o ambiente social.

“A verdade é que essa busca não estava relacionada com a nacionalidade em si, mas tem que ver com qualquer coisa mais interior. Existe uma série de aspectos como os outros são reconhecidos, e um deles é o cabelo”, explica. “Quando escrevi, minha principal intenção era captar um momento, partindo de uma experiência particular. Mas desde então, esse movimento, que ainda era pequeno, por assim dizer, tornou-se enorme, e hoje tem contornos globais.” Para a autora, a discussão extrapola e muito o mero aspecto das aparências.

Apesar de nascer em Angola, ela cresceu amando a literatura portuguesa (Fernando Pessoa e Raul Brandão, especialmente). Atualmente, Djaimilia trabalha em um novo romance e escreve regularmente para a revista eletrônica brasileira Pessoa.

Anúncio. A programação da presença lusófona foi divulgada nesta sexta-feira, 5, em evento no Consulado Geral de Portugal em São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.