CAMILA DEL NERO
CAMILA DEL NERO

Prêmio Jabuti não terá curador, depois de demissão de Luiz Armando Bagolin

Renúncia se deu após comentário considerado homofóbico; Câmara Brasileira do Livro não terá novo curador e não não dá mais informações sobre o que acontece agora com as críticas referentes às mudanças no regulamento este ano

O Estado de S.Paulo

15 Junho 2018 | 21h47

Desde que anunciou sua reformulação, em maio, quando excluiu categorias – eram 29, agora são 18 – e uniu outras tradicionais, como Infantil e Juvenil, o Prêmio Jabuti vem sendo alvo de debate – acirrado nesta semana com a publicação de um artigo do produtor cultural Volnei Canônica no site PublishNews, respondido, no próprio texto, por Luiz Armando Bagolin, curador do Jabuti, de forma considerada homofóbica. 

Professor e ex-diretor da Biblioteca Mário de Andrade, ele ironizou a posição de Canônica, contra as mudanças no regulamento, afirmando que ele defendia “principalmente” o companheiro, o ilustrador Roger Mello, a quem chamou de “seu amor”. Na mensagem, pública, Bagolin citou ainda o Dia dos Namorados e mandou beijos para os dois. 

Nesta sexta, 15, a Câmara Brasileira do Livro recebeu uma carta do curador pedindo seu afastamento. Em nota, a CBL diz que “Bagolin renunciou ao cargo de curador com o intuito de evitar prejuízo ao prêmio e à CBL, depois que um debate na internet sobre críticas à premiação tomou direção de natureza pessoal”. 

Quanto a isso, na carta, Bagolin disse: “Não tive condão de ofender! Penso, entretanto, que as discussões tomaram uma direção de natureza muito pessoal, infelizmente e injustamente, por ambas as partes, e o livre debate de opiniões ficou distorcido e prejudicado”.

Sobre argumentos de Canônica envolvendo ilustração e o Livro dos Mortos, Bagolin disse: “Não posso, como professor, deixar de corrigir alguém que afirma a existência do Livro dos Mortos como exemplo de um ‘livro ilustrado’, ‘um dos mais antigos da humanidade’. O Livro dos Mortos, egípcio, é uma invenção de um arqueólogo alemão do século 19. O conceito ‘ilustração’ também data deste século.” 

Antes desse conflito, importantes autores de livros para crianças e adolescentes e ilustradores já haviam se pronunciado contra o Jabuti, dizendo que não iriam concorrer nesta edição. 

A Câmara Brasileira do Livro afirmou que não haverá novo curador, mas não dá mais informações sobre o que acontece agora com o regulamento – se haverá uma revisão. As inscrições das obras terminam dia 28.

Luiz Armando Bagolin era o curador e tinha a seu lado, no conselho, Tarcila Lucena, Mariana Mendes, Pedro Almeida e Jair Marcatti. O próximo passo seria a escolha dos jurados de cada uma das categorias.

Ainda em sua carta, Bagolin disse que “toda mudança gera desconforto, e todo desconforto gera medo”. Sobre a questão do gênero infantil e juvenil, ele citou o prestigioso Prêmio Hans Christian Andersen, que existe desde 1956 e tem duas categorias apenas: Melhor autor em literatura infantil e juvenil e Ilustração infantil. “Não há que eu saiba atualmente nenhum manifesto ou mobilização de nossos autores, ilustradores e editores para que haja uma mudança no Hans Christian Andersen”, comentou. O ex-curador disse ainda estar sendo insultado nas redes sociais e que “não é possível prosseguir, sem liberdade de pensamento e sem autonomia de condução dos princípios que foram desenhados para sustentar o novo projeto”. / COLABORARAM MARIA FERNANDA RODRIGUES E LEANDRO NUNES

Leia a carta na íntegra, aqui.

Confira algumas mudanças no Prêmio Jabuti

A premiação passa a ter 18 categorias (eram 29 no ano passado) e o troféu vai apenas para o 1º colocado, e não mais para os três vencedores. O prêmio será de R$ 5 mil (era R$ 3.500). Só haverá um vencedor do Livro do Ano – eram dois. O valor do prêmio subiu de R$ 35 mil para R$ 100 mil. 

 

Duas novas categorias foram criadas: formação de novos leitores e impressão. A primeira vai selecionar iniciativas que despertem interesse pela leitura. A segunda vai prestigiar processos de impressão (o livro e a editora serão premiados, e quem recebe o prêmio em dinheiro é a gráfica).

 

Os vencedores serão conhecidos na cerimônia de entrega do prêmio, no dia 8 de novembro, no Auditório Ibirapuera. 

 

Antes disso, a Câmara Brasileira do Livro anuncia os 10 finalistas de cada categoria. 

 

Autores independentes, sem vínculos com editoras, também passam a ter desconto no valor de inscrição (R$ 327 contra R$ 430 para não associados da CBL; associados pagam R$ 285 por livro). / L.N.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.