EFE/ Raúl Martínez
EFE/ Raúl Martínez

Poeta uruguaia Ida Vitale ganha o prêmio Cervantes 2018

Esta é a quinta vez que a distinção, em mais de 40 anos de história, é dada a uma mulher

EFE

16 Novembro 2018 | 11h37

MADRI — A poeta uruguaia Ida Vitale ganhou nesta quinta-feira, 15, o Prêmio Cervantes 2018, considerado o Nobel de Literatura espanhol, pela "linguagem, uma das mais destacadas e reconhecidas da poesia em espanhol" e por ter uma trajetória "de primeira ordem".

Esta é a quinta vez que o Prêmio Cervantes, em mais de 40 anos de história, é dado a uma mulher. As outras quatro vencedoras foram as espanholas María Zambrano (1988) e Ana María Matute (2010), a cubana Dulce María Loynaz (1992) e a mexicana Elena Poniatowska (2013).

O reconhecimento concedido pelo Ministério de Cultura e Esporte da Espanha ainda inclui uma premiação de 125 mil euros à homenageada.

O anúncio foi feito pelo ministro de Cultura espanhol, José Guirao, que também fez uma "emocionada lembrança" ao mexicano Fernando del Paso, morto nesta semana.

"(Ida Vitale) é uma referência para os poetas com uma trajetória poética e intelectual. Sua linguagem, uma das mais destacadas e reconhecidas da poesia moderna em espanhol, é ao mesmo tempo intelectual e popular, universal e pessoal, transparente e profunda", afirmou o ministro.

Guirao também contou que, ao ligar a Vitale para comunicar a notícia, a uruguaia se mostrou "surpresa, agradecida e muito vital, fazendo honra ao seu nome".

A escritora Carmen Riera, presidente do júri do prêmio, classificou Vitale como "poeta extraordinária com grandes vínculos com a Espanha".

Com o prêmio, Vitale sucede o nicaraguense Sergio Ramírez, vencedor em 2017, e "quebra" a tradição de revezamento entre ganhadores espanhóis e latino-americanos a cada ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.