Patrick Semansky/Via REUTERS
Patrick Semansky/Via REUTERS

Poeta da posse de Biden, Amanda Gorman diz que foi seguida por segurança por parecer 'suspeita'

'Esta é a realidade de meninas negras: Um dia te chamam de ícone, no outro, de ameaça', disse a poeta de 22 anos

Redação, O Estado de S. Paulo

06 de março de 2021 | 15h57

A jovem poeta americana Amanda Gorman, revelada ao mundo ao ser escolhida para ler um poema de sua autoria, The Hill We Climb, durante a posse do presidente Joe Biden, disse em um post no Instagram que foi seguida por seguranças e 'racialmente perfilada' por parecer "suspeita". Ela estava voltando para casa na sexta-feira, 5, quando foi abordada.

O segurança que a seguiu quis saber onde ela morava porque ela "parecia suspeita". Gorman escreveu: "Mostrei minhas chaves e corri para dentro do prédio". "Ele foi embora sem nenhum pedido de desculpas. Esta é a realidade de meninas negras: Um dia te chamam de ícone, no outro, de ameaça".

Amanda Gorman, de 22 anos, a mais jovem poeta a participar da posse de um presidente americano, vive em Los Angeles. 

Ela disse ainda, em sua mensagem, que, de uma certa forma, o segurança estava certo. "Eu sou uma ameaça: uma ameaça à injustiça, à desigualdade, à ignorância. Qualquer pessoa que fale a verdade e ande com esperança é um perigo óbvio e fatal aos poderes constituídos. Uma ameaça e um orgulho."

Tudo o que sabemos sobre:
Amanda Gormanracismoliteraturapoesia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.