EFE/ Janerik Henriksson
EFE/ Janerik Henriksson

Pivô no escândalo do Nobel, Jean-Claude Arnault é condenado a dois anos de prisão

Artista francês de 72 anos foi acusado de estupro duas vezes; essa é a primeira condenação em um julgamento vinculado ao movimento #MeToo

AFP

01 Outubro 2018 | 10h39

O francês Jean-Claude Arnault, processado na Suécia por estupro, em um caso revelado em plena campanha #MeToo e que obrigou o adiamento por um ano do anúncio do Prêmio Nobel de Literatura, foi condenado por um tribunal de Estocolmo a dois anos de prisão.

Arnault, 72 anos, era acusado de estuprar duas vezes, em outubro e dezembro de 2011, uma jovem em um apartamento da capital sueca. Ele foi condenado pelo crime de outubro, anunciou a juíza Gudrun Antemar em um comunicado.

"Não há nenhuma razão para uma pena mais curta que dois anos", afirmou a magistrada em uma entrevista coletiva.

Esta é a primeira condenação em um julgamento vinculado ao movimento #MeToo.

O escândalo, que abalou a Academia Sueca, explodiu em novembro de 2017, um mês depois das revelações sobre estupros e outras agressões sexuais atribuídas ao produtor de cinema americano Harvey Weinstein.

Os depoimentos de 18 mulheres, incluindo a demandante, publicados no jornal sueco Dagens Nyheter, que acusavam o francês de estupro ou agressão sexual, implodiram a Academia Sueca, que concede desde 1901 o Prêmio Nobel de Literatura.

Arnault, casado com uma acadêmica, tinha relações estreitas com a instituição sueca. Deste então, os membros da Academia não conseguem assumir suas responsabilidades e não conseguem encontrar uma forma de administrar a crise.

Desacreditada, privada do quórum necessário para funcionar após a renúncia de vários membros, a Academia Sueca adiou para o próximo ano o nome do vencedor do Prêmio Nobel de Literatura de 2018, algo que não acontecia há 70 anos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.