Patricia Cruz/Estadão
Patricia Cruz/Estadão

Pesquisa Retratos da Leitura cresce e começa a ser feita no Brasil todo

Agora com a parceria do Itaú Cultural, o levantamento do Instituto Pró-Livro amplia sua amostra, inclui perguntas sobre literatura e se desdobra para conhecer o perfil dos frequentadores de festivais literários

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S. Paulo

07 de novembro de 2019 | 02h00

Pesquisadores do Ibope saem a campo na próxima semana para iniciar mais uma edição da Retratos da Leitura, o mais completo levantamento sobre o hábito de leitura do brasileiro, feito pelo Instituto Pró-Livro e que ganha este ano reforço do Itaú Cultural

Agora que o questionário foi revisto  e ampliado – o Itaú Cultural sugeriu a inclusão de  questões para entender a relação dos leitores com a literatura –, vai ser tudo muito rápido. No início de dezembro, a etapa de campo (cada entrevista pode durar até 45 minutos) deve estar concluída. Depois começa a tabulação (automatizada). O mais complicado, analisar e cruzar as respostas e preparar os relatórios, vem a seguir. Mas Zoara Failla, coordenadora da pesquisa, é otimista – se não exatamente com o resultado, pelo menos quanto ao prazo. Em março, tudo estará pronto para ser divulgado.

Esta é a 5.ª edição da Retratos da Leitura, que começou a acompanhar o comportamento leitor brasileiro em 2001 e teve outras edições em 2007, 2011 e 2015 – que, divulgada em 2016, mostrou, entre muitas outras coisas, que 44% da população não lê, 50% nunca comprou um livro e que o índice de leitura é de 4,96 livros por ano (2,43, se considerarmos os lidos até o fim). 

Ao longo dos anos, a pesquisa vem indicando ligeira melhora, mas ainda é muito pouco – e Zoara não acredita que o resultado será mais animador. “Sempre esperamos que melhore, claro, mas se olharmos para outras avaliações, como para a qualidade da nossa educação, vemos que isso também não está melhorando. Se não melhora a educação, dificilmente vai melhorar a qualidade da leitura.”

Outra novidade  é a ampliação da amostra – de cerca de 5 mil pessoas para 8 mil. Isso vai, de acordo com Zoara, possibilitar pela primeira vez que os dados sejam isolados por capital.

O interesse do Itaú Cultural na pesquisa, explica Eduardo Saron, diretor da instituição, vem da necessidade cada vez maior de se ter dados sobre os hábitos culturais. “Não é possível formular políticas públicas ou fazer ações estratégicas quando temos pouco ou nenhum dado”, comentou.

A parceria com o Instituto Pró-Livro, entidade mantida pelo Sindicato Nacional dos Editores de Livros,  Câmara Brasileira do Livro  e Associação Brasileira de Editores e Produtores de Conteúdo e Tecnologia Educacional, prevê, ainda, a realização de recortes da pesquisa Retratos da Leitura em festivais literários. Os dois primeiros, cujos resultados serão divulgados nesta quinta, 7, foram feitos da Bienal do Livro e na Flup, a Festa Literária das Periferias, ambas no Rio (veja aqui os destaques). No ano que vem, os pesquisadores desembarcam na Fliaraxá, Cooperifa, Bienal de São Paulo e Flip. 

Para Saron, as pesquisas – a Retratos e essas individuais – se associam. A primeira apresenta uma visão geral do perfil leitor do brasileiro (a Bíblia, em 2015, era o livro mais lido). A outra investiga os hábitos daqueles que já são leitores de literatura e frequentam os eventos literários. “Os resultados vão ajudar a nortear nossas ações e oferecer elementos para que produtores de festivais possam ter cada vez mais impacto nas sociedades.” 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.