Andreas Meier/Reuters
Andreas Meier/Reuters

Paulo Coelho pede perdão à França por ataques de Bolsonaro envolvendo a Amazônia e Macron

O escritor Paulo Coelho postou um vídeo no Twitter em que critica a os insultos ao presidente da França e sua mulher enquanto 'a Amazônia está queimando'; veja o vídeo

AFP, O Estado de S. Paulo

27 de agosto de 2019 | 08h50

“Perdão, perdão mil vezes”. O escritor brasileiro Paulo Coelho pediu desculpas após os insultos e as declarações polêmicas a respeito da França do presidente Jair Bolsonaro, em meio à crise pelos incêndios na Amazônia.

“Este é um vídeo um pouco triste para pedir perdão aos meus amigos franceses pela crise, eu diria que a histeria de Bolsonaro a respeito da França, do presidente da França, da mulher do presidente da França”, afirmou em francês Paulo Coelho em um vídeo publicado no Twitter.

O escritor, nascido em 1947 no Rio de Janeiro, é um dos autores mais lidos do mundo. “Enquanto a Amazônia está queimando, eles não têm nenhum argumento e apenas insultam, negam, dizem qualquer coisa para evitar assumir (sua) responsabilidade”, acrescentou o escritor em referência às autoridades brasileiras. 

A reunião do G7 de Biarritz deu origem a um confronto diplomático entre Bolsonaro e seu colega francês, Emmanuel Macron, a respeito dos incêndios devastadores na Amazônia. 

As declarações ofensivas do presidente brasileiro a respeito da primeira-dama francesa Brigitte levaram Macron a desejar abertamente, diante das câmeras, que o “povo brasileiro tenha muito rapidamente um presidente que se comporte à altura do cargo”

“Esse é um momento de escuridão no Brasil, vai passar como a noite passa (...) e peço desculpas”, acrescentou o autor de O Alquimista. “Mensageiro da paz” da ONU, o escritor fundou no Rio de Janeiro o Instituto Paulo Coelho, que oferece oportunidades a pessoas em dificuldades, em particular idosos e crianças.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.