Os novos rumos da antiga edição do autor

A autopublicação digital tem revelado autores como Hugh Howey e FML Pepper, cobiçados por editoras tradicionais

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S. Paulo

25 de agosto de 2014 | 19h23

O americano Hugh Howey queria vender cinco mil exemplares de seus livros ao longo da vida. Ele se dedicaria à literatura por 10 anos até que começasse a contabilizar o resultado. A meta acabou se revelando modesta. Nos dois primeiros anos, foram cerca de 4 mil exemplares. E então publicou Wool, o primeiro da série digital Silo. “Vendi mil cópias num mês, 3 mil no seguinte, 10 mil no terceiro mês”, disse durante sua passagem pela Bienal do Livro de São Paulo.

Ele administra bem a expectativa. “Faço isso dizendo a mim mesmo que amanhã nunca será como hoje. Mas publico há três anos, e só melhora”, brinca o autor de ficção científica cuja estreia foi por uma editora pequena. No entanto, ele logo percebeu que seria mais feliz cuidando das edições do começo ao fim. 

Howey rasgou o contrato do segundo livro e partiu para a autopublicação, e credita o sucesso a dois fatores: o boca a boca e a produção intensa. “Não tem propaganda melhor do que fazer o próximo livro, e o seguinte, e mais um. E com a autopublicação posso dispor o livro uma semana após ter terminado o trabalho e não esperar um ano para sair por uma editora tradicional. Não quero que o leitor tenha de esperar.” Logo, os direitos foram vendidos para o cinema e os agentes literários apareceram, querendo negociar a obra, disponível em e-book na Amazon - ele publica pela KDP, plataforma da gigante americana - e para impressão sob demanda. A Intrínseca foi a primeira editora a comprar os direitos de Silo - hoje, o livro está em 32 países e contabiliza cerca de 2,5 milhões de exemplares vendidos em e-book e papel. 

O exemplo de Howey não é o único e é cada dia mais comum ver autores independentes chamando a atenção das editoras. Alguns se rendem mediante um bom adiantamento. Outros fazem contratos híbrido: ficam com os direitos digitais e vendem os do livro físico. Aqui, a moda também está começando a pegar. FML Pepper, dentista de Niterói, que também participou da Bienal, tem dois e-books pela KDP - Não Pare!, Não Olhe! (ontem, o 17.º e-book mais vendido da Amazon), vai lançar Não Fuja! e acaba de vender os direitos para a Valentina, que os lançará em papel em 2015. Sua história é curiosa: rejeitada por editoras, ela foi aprender nos EUA. “Todos os casos de sucesso na autopublicação vinham de lá e queria me tornar um deles. Fui a conferências, estudei, corri atrás”, conta. 

“Um bom sinal de que a autopublicação está funcionando é que entre os top 100 da Amazon sempre há alguns da KDP”, comenta Alex Szapiro, diretor da empresa. Além dela, há várias outras (Clube de Autores, PerSe, Publique-se, e-galáxia, Kobo, etc.), com diferentes características. Publicar um livro nunca foi tão fácil e barato. A garantia do sucesso é que são outros quinhentos.

Dicas dos autores para quem tem um livro na gaveta ou quer escrever um:

Hugh Howey, autor de Silo

“Não importa como você publica seu livro, mas você tem que ter um grande livro na mão. Não basta só mandar o rascunho para um agente porque ele vai recusá-lo. Não se apresse em fazer nada. Faça parte de um grupo de autores ou contrate um editor. Peça para as pessoas lerem seu livro e sugerirem mudança. Não importa o que faça ou como publique, mas tudo tem que estar perfeito. E quando tudo está perfeito, leva apenas um dia para aprender como funciona a autopuplicação e como fazer o upload do livro. No dia seguinte o livro está disponível. É muito fácil e às vezes não custa nada. E, claro, escrever todos os dias e ler muito.”

FML Pepper, autora de Não Pare! e Não Olhe!

“Não tenha medo de errar. Se cair, levante-se, sacuda a poeira e veja que pode ir até mais longe do que imaginava. Mas, a principal dica que daria para quem está iniciando é o meu mantra de sempre: a distância entre o sonho e o sucesso depende apenas do caminho que decidir tomar. Foque nos seus objetivos e não desista dos seus sonhos porque se você não lutar com paixão serão os seus sonhos que desistirão de você.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.