Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Novos clubes de assinatura de livro unem editoras e apostam em especialização

Entre as novidades, há serviços de assinatura de poesia, livros de autores hispânicos, obras escritas por mulheres; confira

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S. Paulo

01 de junho de 2022 | 05h00

Os clubes de assinatura de livro, que remontam ao antigo Círculo do Livro e foram conquistando uma nova geração de brasileiros com a chegada da TAG, Taba, Quindim, Leiturinha e companhia, vivem um novo momento com uma maior segmentação e o diálogo direto com leitores – de todas as idades e preferências literárias. 

Hoje, se você quer ler poesia, tem um serviço especializado no gênero, o Círculo de Poemas. Se gosta de literatura hispânica, tem o Tortilla. Quer ler obras escritas por mulheres? Tem o novato Amora. Quer ler livros escritos por mulheres com uma pegada feminista? Tem o Clube F. É cinéfilo? Uma opção é o Clube Box. É cinéfilo e já assina a TAG? Em maio, a TAG mandou um voucher para os usuários experimentarem por 60 dias a plataforma de streaming de filme Mubi.

Não para por aí. O Bússola, da livraria Dois Pontos, é para quem quer entender mais do mundo e de si por meio de uma boa obra não ficção. Para aqueles que querem ler um livro antes que ele chegue às livrarias, há opções como o TAG Inéditos e o Histórias Extraordinárias, também da Dois Pontos, e o Flip_se, parceria da livraria com a Festa Literária de Paraty. Quer uma dica de leitura feita por alguém famoso? Entre as opções estão o TAG Curadoria, o Clube do Livro de Gabriela Prioli em parceria com Leandro Karnal e o da Manuela D’Ávila. É para crianças? Tem a Taba, Quindim, Leiturinha, Minha Pequena Feminista. Procura livros sobre desenvolvimento pessoal e profissional? Tem o Grow. 

Com 20 mil, 2 mil ou 200 assinantes, os clubes são iniciativas que conquistam leitores e também editoras – sobretudo as de obras gerais.

“Pelo segundo ano consecutivo, os clubes de assinatura aparecem na lista dos principais canais de venda deste subsetor, na Pesquisa Produção e Vendas”, explica a economista Mariana Bueno, da Nielsen e responsável pela pesquisa. “Ainda que a representatividade deste canal no faturamento das editoras de obras gerais seja bem menor do que livrarias, livrarias exclusivamente virtuais e distribuidores, não se pode descartar a importância dos clubes do livro.” Eles foram responsáveis por 2,2% do faturamento das editoras deste segmento. Em valor: R$31,3 milhões.

O Clube Amora, criado em Curitiba por Maria Ignacia Sturam, Fernanda Ávila, Patricia Papp e Vicente Frare, já tem sido procurado por editoras e também por escritoras, segundo os sócios. “Foram três meses de um crescimento exponencial e já estamos em 20 Estados. Acreditamos muito nesse modelo de negócio. Com tanta informação disponível na internet e nas redes sociais, cada vez mais as pessoas valorizam uma curadoria dessa informação", disseram.

Já são 350 assinantes (querem 2 mil até o fim do ano), que recebem uma caixinha com o livro de uma escritora, não necessariamente um lançamento, e o que eles chamam de Pé de Amora: o conto de uma autora estreante.

No meio de tantos clubes, que se diferenciam no tema e se assemelham na forma, surgem algumas iniciativas interessantes. Por exemplo: aproximação entre editoras independentes para a criação de um projeto conjunto.

Foi assim com a Fósforo e com a Luna Parque, parceiras no Círculo de Poemas. “Tínhamos vontade de publicar poesia, mas não nos sentíamos aptos. E não teríamos condição de editar 12 livros de poesia por ano contando só com a venda em livraria”, conta Rita Mattar, uma das sócias da Fósforo. “E nós estávamos quase parando. Nosso modelo caseiro é difícil de levar”, conta Marília Garcia, poeta e editora da Luna Parque ao lado de Leonardo Gandolfi. Juntos, eles vão publicar 12 livros este ano – entre resgates de autores e obras inéditas, de poetas brasileiros ou estrangeiros. 

Na caixinha, vai também uma plaquete. “Não queríamos brindes e penduricalhos. Escolhemos mandar uma plaquete, que é um livro mais curto, inédito, encomendado. Pode ser um poema longo ou vários, que dialogam com uma fotografia ou uma pintura anterior ao século 20 escolhida pelo poeta”, explica Gandolfi. Os livros do Círculo são vendidos depois. As plaquetes não.

A Mundaréu e a Moinhos também compartilham um clube, o Tortilla. “Eu e o Nathan (Magalhães) somos amigos há tempos e trocamos muitas figurinhas sobre o dia a dia editorial e sobre literatura latino-americana, que já era foco de interesse dos dois. E sempre pensávamos em fazer algo diferente – mas, com a pandemia e o fechamento das livrarias, ficou urgente”, diz Silvia Naschenveng, da Mundaréu. 

Funciona assim: a cada bimestre o assinante recebe o livro de uma editora e no seguinte, da outra. Depois, a obra – sempre de algum autor de língua espanhola – vai para a livraria. “O Tortilla se revelou um bom meio de divulgação das nossas editoras e da literatura hispânica, e uma forma prazerosa de nos aproximar de nossos leitores”, comenta Silvia.

Os clubes geralmente reúnem seus assinantes em comunidades online e promovem encontros com autores, tradutores e especialistas para aprofundar a experiência.

Outro movimento interessante é o de assinantes escolhendo mais de um clube, e de ‘leitores especializados’ aderindo. Silvia Massimini Felix se encaixa nos dois perfis. Tradutora, ela é assinante do Tortilla e do Círculo de Poemas e diz que, embora trabalhe no mercado editorial há bastante tempo, os lançamentos são tantos que acabam escapando.

“Gosto muito do Tortilla, porque é o único voltado exclusivamente à literatura de língua hispânica, com a qual trabalho no dia a dia. A curadoria é excelente. E assinei o Círculo de Poemas porque, embora goste muito de poesia, em geral acho que nossa tendência é sempre ler escritores consagrados e clássicos do gênero”, comenta. Para ela, a curadoria é uma forma de entrar em contato com escritores que talvez ela não lesse se fosse escolher por si mesma. “E até hoje os livros que me foram entregues têm sido uma grata surpresa.”

A gestora ambiental Aline Shirazi Conte também tem duas assinaturas em seu nome: a da TAG Curadoria, que ganhou do marido em 2019, e a da TAG Inéditos, que fez depois. E assina o Quindim para as filhas Laura, de 10 anos, e Heloísa, de 7. “Eu lia de dois a três livros por ano, passei para dois a três por mês e hoje leio cinco ou seis.” Ela diz que o investimento não é baixo, mas pondera: “Se formos racionalizar, quanto custa uma saída ao shopping? E quanto tempo isso vai te dar ao lado das crianças? Eu passo o mês lendo o livro do Quindim com elas. Quanto vale isso?”. 

Conheça os novos clubes de assinatura de livros

Círculo de Poemas

Clube e coleção da Fósforo e da Luna Parque

  • Inclui: 1 livro, 1 plaquete, desconto em livrarias, cursos e restaurantes e frete
  • Planos: R$ 74,90 (mensal), R$ 69,90 (semestral) e R$ 62,90 (anual)

Tortilla

Ficção inédita de autor hispânico publicada pela Moinhos ou Mundaréu

  • Inclui:  Depende do plano. No anual, são 6 livros, frete, desconto em livros, encontros e grupo no Telegram  
  • Planos: R$ 65 (degustação), R$ 62 (semestral), R$ 60 (anual)  

Clube Amora

Obras escritas por mulheres

  • Inclui: 1 livro, 1 conto de autora inédita e 1 surpresa 
  • Planos: R$ 65,90 (mensal), R$ 63,90 e (semestral) e R$ 59,90 (anual) + frete

     

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.