Philippe Wojazer/Reuters
Philippe Wojazer/Reuters

Nova aventura de Asterix se passa na Itália antiga

No país, o indomável pequeno gaulês se envolve em lutas em uma corrida de biga

Por Sonia Ye, Reuters

19 Outubro 2017 | 12h36

PARIS - Asterix, o indomável pequeno gaulês que sempre derrota os romanos, volta à ação em sua 37.ª aventura nesta quinta-feira, 19, desta vez se envolvendo em lutas por toda a Itália em uma corrida de biga. O herói bigodudo, que diverte os leitores de quadrinhos com seus feitos à base de poções mágicas ao lado de Obelix desde 1959, se tornou um clássico da indústria editorial, com mais de 370 milhões de edições vendidas em todo o mundo. Além de terem sido traduzidos para mais de 100 línguas, os livros inspiraram dezenas de filmes e séries de desenhos animados que transformaram o personagem em um fenômeno global.

A edição mais recente, Asterix et la Transitalique, se passa na Itália antiga.  Em vez de um confronto com Júlio César, a história mostra os gauleses se encontrando com uma tribo chamada "Italics", que também estão lutando para continuar independentes de Roma. Os livros originais, escritos por René Goscinny e ilustrados por Albert Uderzo, conquistaram uma legião de fãs nos anos 1960, 70 e 80, e muitos continuam a lê-los décadas depois. Após a morte de Goscinny em 1977, Uderzo escreveu e ilustrou a série até se aposentar em 2009. As últimas três edições foram escritas por Jean-Yves Ferri e desenhadas por Didier Conrad, mantendo-se próximas ao formato original.

"Tínhamos a Itália em mente, então eu tive a ideia de uma corrida de biga, uma espécie de rali dos tempos antigos, uma viagem através da península levando de uma cidade a outra", disse Ferri, enquanto apresentava a nova edição junto com Conrad, nesta semana. Seguindo a tradição, o Asterix mais recente conta com um novo vilão, o Coronavirus, um corredor de biga misterioso e mascarado que fará de tudo para vencer. Embora Uderzo contribua supervisionando a série, Ferri disse que ele não requisitou nenhuma mudança.

"Ele queria uma equipe capaz de perpetuar a tradição, e depositou sua confiança em nós", afirmou. "Ele mostra apoio, mas não chega a ser crítico". Com o sucesso de bilheteria dos filmes de Asterix, os livros atraíram uma nova geração de seguidores – o que se reflete na tiragem de cinco milhões de cópias planejada para a nova edição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.