Reuters
Reuters

Notícia do Nobel de Modiano chegou com surpresa a Frankfurt

Editoras não tinham informações para passar tão logo o prêmio foi anunciado; Patrick Mondiano também não concedeu entrevistas

Ubiratan Brasil, Enviado Especial - O Estado de S. Paulo

09 de outubro de 2014 | 09h50

FRANKFURT - Os representantes da editora francesa Gallimard estavam surpresos na Feira de Frankfurt com a escolha de seu compatriota Patrick Mediano para o Nobel de Literatura deste ano. Mesmo cercados por muitos repórteres, as editoras não tinham informações para passar e, ao contrário de vencedores de outros anos, como o peruano Mario Vargas Llosa, Modiano não concedeu nenhuma entrevista tão logo o prêmio foi anunciado.

Na verdade, o escritor francês de 69 anos é avesso a entrevistas, preferindo repetir o chavão de que sua obra já diz tudo. Seu livro mais conhecido é Rue des Boutiques Obscures (Rua das Lojas Obscuras, em tradução livre), com o qual ganhou o prestigioso prêmio Goncourt, em 1978.

Filho de um pai judeu italiano e de uma atriz belga, Modiano nasceu em julho de 1945, no final da 2ª Guerra Mundial, mas essas origens influenciam profundamente seu trabalho: o judaísmo, a ocupação nazista e a perda da identidade são temas recorrentes em seus romances, que incluem ainda La Place de l'Etoile (O Lugar da Estrela), publicada em 1968 e considerada obra determinante sobre o período pós holocausto.

Ele também colaborou com o cineasta Louis Malle, em 1974, na escrita do roteiro do filme Lacombe Lucien, que também tem a guerra como pano de fundo. Por esse trabalho, foi indicado ao Bafta, o Oscar do cinema britânico.

No Brasil, a Cosac Naify lançou recentemente um livro infanto juvenil, Filomena Firmeza, que trata da importância do amor entre pais e filhos. Em 1999, a Rocco lançou Dora Bruder, romance sombrio em que tenta reconstruir a vida dessa menina que, em 1941, desapareceu misteriosamente após fugir da polícia francesa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.