Editora Aleph
Editora Aleph

Nos 80 anos do Superman, HQ conta bastidores da criação do herói

Graphic novel biográfica 'A História de Joe Shuster' narra as vidas dos criadores do personagem

André Cáceres, O Estado de S.Paulo

09 Novembro 2018 | 06h00

Não é pássaro, tampouco avião: a criação do roteirista Jerry Siegel e do ilustrador Joe Shuster foi o protótipo do que hoje conhecemos como super-herói. Celebrando os 80 anos da primeira publicação do Superman na edição n.º 1 da revista Action Comics, chega ao Brasil A História de Joe Shuster: O Homem por Trás do Superman (editora Aleph), biografia em quadrinhos do artista que criou um ícone da cultura pop, que conta com roteiro do autor alemão Julian Voloj e ilustrações do quadrinista italiano Thomas Campi.

“Sem Superman, não teríamos todos os super-heróis que temos hoje. Tenho certeza disso”, afirma Campi em entrevista ao Estado. “Não é só porque foi o primeiro super-herói, mas porque era o início da indústria de quadrinhos na América. Se não fosse por esse personagem, creio que esse tipo de história não existiria hoje”, acrescenta o ilustrador. 

A ideia original do roteiro de Voloj era contar a criação do Superman pelo ponto de vista tanto de Siegel quanto de Shuster, mas ele teve acesso às correspondência do artista no acervo da Columbia University e ficou fascinado com sua história. “Essas cartas falavam sobre sua situação de pobreza, o que me fez decidir torná-lo o narrador dessa história. Normalmente você não escuta falar de Joe Shuster, porque Jerry Siegel era a força motriz da dupla. Mas foi Joe quem realmente criou o imaginário do super-herói”, conta o roteirista.

Campi utiliza um estilo quase aquarelado que lembra pinturas de Edward Hopper para contar a história. Ao mostrar tirinhas antigas durante a graphic novel, o ilustrador reproduz o traço de quadrinistas clássicos como Winsor McCay, Will Eisner e do próprio Shuster com perfeição.

Filho de imigrantes judeus – sua mãe, cansada dos pogroms na Rússia, foi para a América tentar a vida com o marido, que ela conheceu na Holanda –, Shuster passava os dias de infância no cinema em que seu tio trabalhava como projecionista, o que o fez ser cinéfilo desde criança. 

Na época, lia quadrinhos clássicos como Os Sobrinhos do Capitão, Boob McNutt e Little Nemo. Joe compartilhava com o amigo de infância e colega de escola Jerry Siegel as paixões por cultura pop, literatura pulp e filmes. Não por acaso, uma de suas maiores influências visuais era Frank Paul, ilustrador das capas da revista Amazing Stories, do lendário editor Hugo Gernsback – que apresentou ao mundo autores como Isaac Asimov, Robert Heinlein e Arthur C. Clarke e hoje dá nome ao mais prestigiado prêmio da ficção científica.

A ideia original de um personagem que usava seus poderes sobre-humanos para combater o crime foi concebida por Siegel aos 19 anos, em 1933. No entanto, A História de Joe Shuster mostra que o caminho até a publicação, cinco anos mais tarde, foi bastante tortuoso. 

Shuster e  Siegel eram ainda muito jovens quando começaram a receber as primeiras respostas negativas das editoras a respeito do Superman. A inexperiência dos rapazes aliada ao anseio de ver sua criação publicada fez os dois venderem os direitos do personagem por meros 130 dólares, em 1938 – em 2012, num leilão realizado pelo site ComicConnect, o cheque que eles receberam da editora foi arrematado por 160 mil dólares.

O resto é história: 130 mil exemplares da primeira Action Comics vendidos e, até o final de 1939, 60 jornais publicavam tiras diárias ou dominicais do herói. Até então, as tirinhas de aventura se passavam em outros planetas, selvas afastadas ou épocas futuristas, deixando o ambiente realista para histórias detetivescas. O êxito do Superman foi justamente levar temáticas irreais para o cenário urbano. A graphic novel mostra, porém, como Shuster e Siegel se arrependeram do contrato firmado com sua editora. Quando foram demitidos, amargaram a pobreza e tiveram de travar uma batalha judicial para serem creditados por sua criação.

Tanto Campi quanto Voloj admitem não serem leitores assíduos de super-heróis. “Estou interessado em histórias sobre pessoas normais”, diz o ilustrador. “É por isso que eu quis tanto contar a vida de Joe Shuster e Jerry Siegel, pois é sobre amizade, paixão pela arte, ganância, sonhos”, completa Campi. 

As origens judaicas do Superman, como as comparações com o mito de Moisés e a ideia de um imigrante na Terra, não são muito exploradas na HQ. “Essas interpretações são válidas, mas foram posteriores”, explica Voloj. “Mesmo sabendo que Siegel e Shuster vinham de famílias de imigrantes judeus, esse traço não me parece ser uma motivação consciente na concepção do Superman. Ele é mais uma encarnação da América do que um herói judeu.”

Ivan Freitas, curador da exposição Quadrinhos – em cartaz no Museu da Imagem e do Som a partir de 14 de novembro –, comenta a importância do personagem para a história dessa mídia: “A Action Comics número 1 foi um ponto de virada porque introduziu uma série de elementos que acabaram virando a base da indústria de quadrinhos e da forma como os super-heróis são representados. O collant, a cueca por cima da calça, o símbolo no peito, a capa eram uma repaginação de uma série de coisas que já existiam e culminaram naquela forma que eles criaram e que virou padrão”. 

O Superman lutou contra os nazistas antes mesmo dos EUA entrarem na 2.ª Guerra – em uma tirinha de 27 de fevereiro de 1940, antecipando a icônica capa da Marvel com o Capitão América desferindo um soco no rosto de Hitler no ano seguinte. Mas Ivan Freitas acredita que o personagem não conseguiu manter, ao longo das décadas, a mesma relevância. “O mundo é mais cínico, ele talvez seja bonzinho demais para os dias de hoje. Mas foi fundamental.”

Já Ivan Reis, o atual ilustrador do Superman na DC Comics, discorda: “Ele nunca foi tão relevante quanto neste momento. O mundo é muito cíclico e está voltando a ser preto e branco, está se polarizando novamente. Ter uma figura como o Superman para representar uma ideia de justiça é fundamental nos dias de hoje”. Para Reis, o herói se tornou muito mais do que um mero personagem. “É um símbolo. Não importa quem o carregue. Em um mundo onde todo mundo precisa de representação, não há uma figura única que represente todos. O foco hoje do Superman é representar todos, e ele só consegue isso por ter virado a ideia do que é certo, da compaixão.”

Em A História de Joe Shuster, Voloj e Campi mostram também como os criadores do herói foram privados do reconhecimento que mereciam por sua criação – Shuster chegou a dormir na rua após perder o emprego como ilustrador. Foi apenas às vésperas do lançamento do filme do personagem, já nos anos 1970, que a situação financeira de Shuster e Siegel se tornou pública e a Warner Bros. decidiu pagar uma pensão vitalícia aos criadores. Como em uma boa história do Superman, triunfaram a verdade e a justiça.

Mais conteúdo sobre:
Supermanquadrinhos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.