Bruce Wilder
Bruce Wilder

Nora Roberts processa escritora brasileira por plágio

Segundo a escritora best-seller Nora Roberts, Cristiane Serruya plagiou trechos de 10 livros; ela quer US$ 25 mil em indenização e disse que vai doar o dinheiro para alguma organização literária brasileira

Concepción de León, The New York Times

24 de abril de 2019 | 19h48

Nora Roberts entrou com um processo contra uma escritora brasileira por plágio nesta quarta-feira, 24. A escritora best-seller acusa Cristiane Serruya de copiar ou parafrasear conteúdo de 10 de seus livros. No processo, Nora Roberts, autora de obras best-sellers como A Mentira, pede US$ 25 mil de indenização por danos morais,  além da retirada dos livros de circulação - a menos que as partes copiadas sejam removidas.

Nora Roberts disse que vai doar o dinheiro para alguma organização literária brasileira. O processo segue outras acusações de plágio contra Cristiane Serruya. Ela não foi encontrada para comentar a questão nesta quarta, mas em um e-mail para a assessora de imprensa de Nora Roberts ela disse que "nunca plagiou ninguém intencionalmente" e acusou ghost-writers que ela contratou no Fiverr pela sobreposição entre seus livros e os outros. Roberts disse que na maioria das vezes o material era copiado palavra por palavra.

Dois meses atrás, leitores descobriram semelhanças entre Royal Love, romance de Serruya (ela escreve em inglês), e The Duchess War, de Courtney Milan. Desde então, dezenas de romancistas, incluindo Tessa Dawn, Loretta Chase e Lynne Graham, fizeram acusações similares — e hashtag #CopyPasteCris começou a circular no Twitter.  Mais de 40 escritores e 100 livros foram envolvidos no caso até agora.

“Há muitos escritores envolvidos nisso. Eles não têm dinheiro para lutar. Eu tenho dinheiro", disse Nora Roberts.

Numa série de posts publicados em fevereiro, Nora Roberts protestou contra uma cultura "doentia, gananciosa e oportunista" que ela disse estar se desenvolvendo por causa do Kindle Unlimited, plataforma da Amazon segundo a qual autores são pagos com base no número de páginas lidas de seus livros. "Isso afeta a indústria inteira, e corrompe uma profissão honrada", disse Roberts. "E faz os escritores se pareceram com hackers." Um porta-voz da Amazon disse que a empresa leva muito a sério "violações de leis e de direitos autorais" e que os livros de Cristiane Serruya foram removidos do catálogo da Amazon.

Isso não foi o bastante para Nora Roberts. "Eu juro que farei qualquer coisa a meu alcance, usarei qualquer recurso, contato, influência e megafone para colocar vocês para fora", escreveu em seu blog.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.