Nilton Fukuda/Estadão - 9/9/2015
Nilton Fukuda/Estadão - 9/9/2015

Em 'Caminhos Divergentes', Judith Butler advoga uma judaicidade antissionista, mas não antissemita

Novo livro traça uma aliança possível entre palestinos e judeus

André de Leonês, ESPECIAL PARA O ESTADO

13 Janeiro 2018 | 06h02

Judith Butler celebrizou-se no Brasil pelo que ocorreu em 2017, e não me refiro ao lançamento de Caminhos Divergentes - Judaicidade e Crítica do Sionismo. Em novembro, quando veio a São Paulo para o colóquio Os Fins da Democracia, uma horda assomou à porta do Sesc Pompeia e ateou fogo a uma boneca da filósofa, que ainda foi achacada no aeroporto antes de embarcar para os EUA. A grita se deu não pelo evento - embora sirva para ilustrar as discussões sustentadas ali, sobretudo se lermos “fins” como “términos” -, mas porque Butler, doutora por Yale e professora de literatura comparada em Berkeley, é autora do famigerado Problemas de Gênero. Mas, no exterior, a controvérsia diz respeito menos aos estudos de gênero e mais ao que ela tem a falar sobre a possibilidade de uma crítica ao Estado de Israel que, mesmo antissionista, não possa ser tida como antissemita. Dentre outras coisas, é disso que trata Caminhos Divergentes.

+++ 'Ódio e censura são baseados no medo', diz Judith Butler

Com esse livro, a autora conseguiu a proeza de irritar direita e esquerda. Uns acusaram-na de antissemitismo e de cumplicidade ideológica com organizações terroristas como o Hamas; outros, de que o trabalho é academicista, descolado da realidade e do sofrimento palestino. Antes de abordar a obra, é bom ressaltar que tais ataques não se sustentam: por um lado, ela não usa termos como “Palestina ocupada” e jamais equivale Israel à Alemanha nazista; por outro, ela se propõe a refletir “sobre a necessidade de demorar-se no impossível”, ou seja, afirmar “que uma crítica judaica da violência de Estado israelense é (...) possível” e “eticamente obrigatória”.

+++ Judith Butler: 'O mundo que os conservadores querem destruir é muito poderoso'

Indo além, Butler se esforça para demonstrar que a coabitação é algo intrínseco à própria judaicidade (e o uso do termo em detrimento de “judaísmo” não é um acaso), entendida como “um projeto anti-identitário”, pois “ser judeu supõe assumir uma relação ética com o não judeu”. Isso decorreria da “condição diaspórica” da própria judaicidade: “A vida em condições de igualdade em um mundo socialmente plural é um ideal ético e político”.

+++ Manifestantes contra e a favor de Judith Butler protestam no Sesc Pompeia

Recorrendo aos palestinos Edward Said e Mahmoud Darwish e a leituras nem sempre ortodoxas de Lévinas, Walter Benjamin e Hannah Arendt, ela foge à apropriação ideológica dos termos da discussão pelo Estado de Israel. Noutras palavras, Butler critica o controle da judaicidade pelo sionismo e advoga a necessidade de se extrapolar o quadro referencial majoritariamente judaico para lidar com a questão. Sendo o judaico definido e delimitado pelo não judaico (vide as ideias de Said relativas a uma “origem mais diaspórica” do judaísmo e de Arendt quanto à manutenção de tal identidade), torna-se essencial incluir a alteridade no cerne da reflexão. O deslocamento estaria no DNA de palestinos e judeus, constituindo a “base de uma aliança possível” que levasse à coabitação e a um “binacionalismo uniestatal”.

+++ Babel: Mais de 100 mil brasileiros querem Judith Butler longe do País​

Caminhos Divergentes traça uma cartografia instigante, repleta de desvios pelos quais podemos enveredar. Concordando ou não com Butler, aceitar que determinados posicionamentos (sobretudo aqueles típicos do sionismo mais extremo) devem ser questionados é imprescindível para uma fundamentação mais consequente da discussão. Sem isso, a coabitação é impossibilitada e Israel seguirá envolvido numa guerra permanente contra os vizinhos e si mesmo.

* ANDRÉ DE LEONES É AUTOR DO ROMANCE 'ABAIXO DO PARAÍSO' (ROCCO), ENTRE OUTROS

CAMINHOS DIVERGENTES

Autor: Judith Butler

Tradução: Rogerio Bettoni

Editora: Boitempo (240 págs., R$ 68)

Mais conteúdo sobre:
Walter Benjamin literatura Judith Butler

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.