AP Photo/Sunday Alamba
AP Photo/Sunday Alamba

Nigeriano ganhador do Nobel de Literatura, Wole Soyinka diz ter esperança nos jovens de seu país

Ele relata ver os muitos problemas da Nigéria - maus políticos, corrupção sistêmica, extremistas violentos e sequestradores - mas não desespera

Chinedu Asadu, AP

31 de outubro de 2021 | 18h39

Wole Soyinka, o autor da Nigéria ganhador do Prêmio Nobel, vê os muitos problemas de seu país - maus políticos, corrupção sistêmica, extremistas e sequestradores - embora não desespere. Aos 87 anos, ele diz que a juventude da Nigéria pode ter a energia e o know-how para colocar o país conturbado de volta no caminho certo. Cabe à nova geração "decidir se querem continuar no mesmo trem de uma via", ou traçar um novo rumo, disse Soyinka à The Associated Press

Soyinka credita os jovens nigerianos - cerca de 64 milhões entre 15 e 35 anos, dos mais de 200 milhões de pessoas do país - por tentarem reformar profundamente o país. Ele cita os protestos de outubro de 2020 #EndSARS contra a brutalidade policial, comparando-a à resistência durante os anos de domínio militar que a Nigéria suportou durante quase 30 anos. 

Embora os protestos de um ano atrás tenham terminado em tiroteios e na morte de mais de 30 manifestantes, Soyinka diz que as amplas manifestações organizadas nas redes sociais mostram a promessa dos jovens de alcançar a mudança. "O tipo de energia e inteligência que criou o movimento #EndSARS é um, por exemplo, que pode ser usado em uma escala muito mais ampla para envolver grande número de pessoas", disse ele. 

Em seu primeiro romance em quase 50 anos, Chronicles from the Land of the Happiest People on Earth (Crônicas do lugar das pessoas mais felizes da Terra, em tradução livre), publicado em setembro, Soyinka criou uma Nigéria fictícia repleta de crime, corrupção e caos com um partido governante opressivo chamado People on the Move Party (POMP). E a população é tudo menos feliz, embora exista um Festival anual do Povo da Felicidade com um nome irônico. 

O romance satírico retrata um negócio de partes do corpo humano por uma empresa chamada Recursos Humanos e um pastor de uma mega-igreja que prega Chrislam - uma mistura de cristianismo e islamismo. No entanto, o retrato pouco generoso de Soyinka da Nigéria também está misturado com um espírito esperançoso. 

Do Freedom Park, em Lagos (capital da Nigéria), Soyinka falou à AP sobre sua visão do país. Semelhante ao cenário de seu romance, Soyinka disse que sente que o sistema atual na Nigéria não é um sistema "funcional, produtivo".

Em 2015, Soyinka endossou o candidato presidencial Muhammadu Buhari e pediu aos nigerianos que perdoassem o líder de seu passado como ex-ditador que governou a Nigéria de 1983 a 1985. Agora Buhari é presidente e Soyinka é crítico em relação a ele. 

"Desde a metade da primeira fase de seu governo, falhou em muitos níveis e cabe aos nigerianos acordar e inverter a direção em que estão sendo levados", disse o autor sobre a administração de Buhari, de 78 anos. Ele disse que Buhari tem um histórico de "colocar as pessoas em caixas" quando elas não concordam com ele, incluindo os líderes separatistas Sunday Igboho e Nnamdi Kanu, atualmente sob a custódia da Polícia Secreta da Nigéria. 

Soyinka diz que a Nigéria começou a ir na direção errada em 1955, quando o gigante da África Ocidental começou a obter "riqueza não conquistada nem merecida" do petróleo. "Não fabricamos nada a partir do petróleo, apenas o usamos cru pelo que é, vendemos, pegamos o dinheiro e desperdiçamos o dinheiro", Soyinka, que em 1986 foi o primeiro autor negro e o primeiro africano a ganhar o Prêmio Nobel de Literatura

"A produtividade caiu e as pequenas economias que sustentam o povo começaram a desaparecer", disse ele. Embora a enorme riqueza da exportação de petróleo bruto tenha feito da Nigéria uma das maiores economias da África, seu povo continua a lutar contra a pobreza e o subdesenvolvimento. Dez anos após a descoberta do petróleo em grande quantidade, a Nigéria sofreu seu primeiro golpe militar em 1966, abrindo as comportas para uma sucessão de ditaduras que ocuparam o país por quase todos os anos até 1999, quando a democracia foi restaurada. 

Foi durante um desses regimes militares - em 1994, sob liderança do falecido Sani Abacha - que Soyinka, um espinho na carne de chefes de Estado militares, entrou em um exílio auto-imposto após liderar protestos pró-democracia. Já faz mais de 22 anos que a Nigéria voltou à democracia, mas Soyinka acredita que a nação "nunca se recuperou realmente" desses anos ditatoriais. Além disso, ele sente que muitas das mudanças pelas quais ele lutou ainda não se concretizaram. 

"O que tivemos novamente é reinventar a roda", disse ele. "Cada governante vem e diz: 'Oh, sim, estou ouvindo as pessoas. E elas querem mudar. Portanto, vamos nos encontrar e mexer com a constituição.' Em vez de ir ao fundo e criar uma sociedade totalmente diferente da que existe. Uma vez que eles chegam ao poder, é o mesmo resultado". 

Na região nordeste do país, numa guerra de 12 anos contra os extremistas islâmicos de Boko Haram e seu ramo do Estado islâmico da África Ocidental, os extremistas continuam a manter a região como refém, banditismo que levou à matança de milhares e ao seqüestro de muitos, inclusive de crianças em idade escolar, nos estados do noroeste e centro do país, enquanto um violento movimento separatista está surgindo no sudeste. 

Soyinka sente que as coisas teriam sido diferentes se os líderes não "fingissem que o que estava acontecendo era um pequeno problema, ao passo que era muito profundo dentro da sociedade". "Eles se recusaram a agir no momento certo. Eles se comprometeram. Eles se apaziguaram. Eles se desculparam. Até repreenderam o perigo, a realidade. E no processo nós perdemos completamente nossa humanidade", disse ele com pesar, seu rosto de repente solene. Assim, "cada vez que apontamos um dedo para o Estado, os governantes nos olham e se vêem como um reflexo do resto da sociedade".

Soyinka diz que para reverter a tendência, a Nigéria deve passar por um "longo" e "brutal" exame de consciência em que "chamamos nossos próprios nomes e dizemos a nós mesmos a verdade sem nenhuma dó". O país precisa de um líder que "pegue o touro pelos chifres" e reconheça que "até o momento, estamos mal", disse ele. 

Soyinka está viajando internacionalmente para promover seu romance e ele mantém um comentário constante, muitas vezes chamando atenção de líderes em sucessivos governos. Ele, entretanto, admite que não é tão forte quanto pensa. "Estou realmente cansado", disse ele com um risinho. "Eu apenas vivo uma vida normal como posso. Nenhuma receita especial ou algo do gênero. Basta viver cada dia um a um". 

Ele também está cansado de ler seus próprios obituários. Na Nigéria, as notícias falsas sobre a morte de Soyinka são muito difundidas nas redes sociais, a mais recente em meados de outubro. Ele disse que provavelmente leu a notícia de sua morte mais do que leu suas próprias obras. "Estou ficando entediado com a morte", disse ele, atirando suas duas mãos como se estivesse desistindo da própria morte. "Não há nada de criativo nisso. Fico apenas aborrecido cada vez que leio meu obituário. Isso já acontece há anos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.