JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

Nicholas Sparks: 'Não escrevo só para mulheres'

O escritor best-seller fala sobre seu novo livro, 'Dois a Dois'

Redação, EFE

23 Outubro 2017 | 19h09

Nicholas Sparks ficou famoso em 1996 com O Caderno de Noah, um livro que o consagrou como autor “romântico” ainda que ele diga, nesta entrevista, que não escreve só para mulheres. Seu novo romance, Dois a Dois, é protagonizado por um pai e sua filha.

Com este 20º livro, lançado nos EUA em 2016, Sparks celebra os 20 anos de uma obra best-seller que transformou suas adaptações em blockbusters.

“É muito especial ter publicado 20 livros em 20 anos, um número redondo, muito bonito, que mostra que já tem um tempo que venho fazendo isso”, disse. Entre o primeiro livro e este, há muitas diferenças.

Em Dois a Dois (lançado no Brasil pela Arqueiro), há três elementos conhecidos de sua obra: o romantismo, a Carolina do Norte como cenário e o fato de que “as histórias sejam completamente diferente entre si”, diz.

Aos 32 anos, Russell Green, protagonista de Dois a Dois, tem tudo: uma mulher impressionante, uma filha adorável de 6 anos, uma carreira de sucesso como executivo da área de publicidade e uma grande casa em Charlotte. Vive um sonho e o casamento com Vivian é o centro de seu universo.

Nicholas Sparks fala ao 'Estado' sobre 'Dois a Dois'

Nicholas Sparks é acusado de racismo, homofobia e antissemitismo

Mas começam a aparecer os problemas e Russ está prestes a presenciar uma guinada em sua vida. Em questão de meses, ele se vê sem trabalho e sem mulher e terá de lutar para se adaptar a uma nova e desconcertante realidade, embarcando em uma viagem aterrorizante que colocará a prova todas as suas habilidades e sentimentos.

“Eu queria escrever uma história entre um pai e uma filha e falar da dificuldade que todos temos em encontrar equilíbrio em nossa vida. Se temos uma carreira, uma parceira, filhos, amigos, não há tempo suficiente para fazermos tudo”, explica Sparks.

Uma história de adaptação e de superação em que ele também aborda os questões de gênero: “Muitas mulheres trabalham fora de casa, mas, pelo menos nos Estados Unidos, carregam a maior responsabilidade na criação dos filhos e nos afazeres domésticos. Não acredito que isto seja justo se os dois estão trabalhando, mas é a realidade”.

Sparks ressalta que seu interesse é em criar personagens e romances que deem a sensação de “veracidade e não de fantasia”, incluindo toda gama de sentimentos que “as pessoas experimentam”, porque geralmente “encontra a inspiração” em pessoas que conhece.

"Me interessa escrever o melhor livro que eu possa escrever em cada momento. A opinião dos meus leitores são as mais importantes para mim”, diz, e reconhece que a maioria de seus fãs é formada por mulheres. 

Mas ele diz: “Não escrevo só para mulheres. Gosto de pensar que homens e mulheres podem ler meus livros, mas, por acaso, são mais mulheres”.

Sparks não para. Ele está terminando seu próximo livro e preparando o roteiro da adaptação cinematográfica de O Guardião. O projeto de adaptação de O Diário de Noah, ele conta, está “parado”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.