Maria Fernanda Rodrigues/Estadão
Maria Fernanda Rodrigues/Estadão

Nas redes sociais, contadores de histórias ajudam a entreter e a fortalecer as crianças

Diariamente, e em diversos horários, as crianças isoladas em casa por causa do coronavírus podem assistir a sessões de contação de histórias online; veja outras dicas

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S. Paulo

24 de março de 2020 | 06h00

Thayame Porto tem uma Kombi que ela usa para levar histórias para crianças sobretudo na periferia de Guarulhos. Trata-se de um projeto de sua Cia. Passarinho Contou que, nas últimas semanas antes do isolamento, estava também promovendo alguns encontros nas manhãs de domingo na Biblioteca Mário de Andrade. Agora a Kombi está guardada no bairro de Pimentas, em Guarulhos, e Thayame está com uma tia, no Bexiga. Num canto da casa dela, montou um pequeno cenário - e desde sábado está contando histórias por meio de lives no Instagram e no Facebook.

Quando veio a informação de que as aulas seriam suspensas como medida para evitar a disseminação do coronavírus, a internet foi inundada com dicas do que fazer com as crianças. As opções são abundantes, e com criatividade dá para ocupar parte das intermináveis horas de isolamento - no caso de crianças menores que não têm tarefa de escola ou não precisam assistir às aulas remotamente, o desafio é ainda maior (ou diferente).

E aqui entram os contadores de história de plantão que, como Thayame, desde a última semana estão não só dando uma mão para os pais que precisam trabalhar e não conseguem entreter os filhos o tempo todo, mas espalhando histórias que podem ajudar a ocupar a mente dos pequenos e a fortalecê-los neste momento.

“Sempre acreditei no poder acolhedor das histórias. Elas nos acolhem na alegria e na dor. Nos confortam, trazem esperança, autoestima, diversão, e possuem o poder de nos colocar em contato com o outro e, com nós mesmos”, diz. Há 13 anos ela é contadora de histórias, e sempre usou como palco a sombra de uma árvore, a escadaria de uma viela, o meio de uma rua de lazer na periferia. “O fato é que o momento que vivemos na saúde pública, individual, do planeta, nos educa a um modo de vida desafiador para nós, brasileiros, que temos o corpo como canal de afetos. Essa angústia de não saber exatamente o que fazer me provocou, me desafiou a usar o que sempre esteve perto e eu nunca recorri por achar o contato humano tão precioso: o celular”, conta Thayame.

Neste momento ela está aprendendo a usar a tecnologia em favor das histórias e os primeiros retornos, de mães, a inspiraram a continuar. Ela entra ao vivo diariamente às 11 h, no perfil @passarinho_contou do Instagram e em seu Facebook pessoal, lendo a história de um livro. Às 15 h, ela narra uma história de memória. Aos sábados, às 22h, ela planeja narração de conteúdo adulto. 

Há muitas outras opções, sempre com lives no Instagram. De Curitiba, Fafá Conta (@fafaconta), dona de um dos perfis mais populares, com 143 mil seguidores, entra ao vivo na segunda, quarta e sexta, às 10h30, e na terça e quinta, às 16h30. Os vídeos ficam disponíveis por 24 horas no Instagram, e sem prazo de validade no YouTube. Do Recife, Carol Levy (@carollevy) entra duas vezes por dia: antes do almoço, às 11h30, e antes de dormir, às 20 h.

A escritora Emília Nuñez (@maequele) conta suas histórias, e de outros escritores, às 11h. Entre outros perfis onde é possível ouvir histórias estão @cacandoestorias, @camila.genaro, @umcantoqueconta, @marinabastoshistorias, @marianebigio, @samaracontadora, @olubayoeducacao, @penelope_martins e @kiaraterranomundao.

Quem também aderiu à ideia foi o escritor best-seller Ilan Brenman, que começou sua carreira como contador de histórias. Ele fez duas lives na semana passada, para pais e filhos, outra na noite desta segunda, 23, e programa uma nova para quarta, 25,às 18h, no seu Instagram (ilan.brenman) em parceria com o psicólogo Rossandro Klinjey. O tema será Histórias também fortalecem o sistema imunológico das famílias, como isso acontece?

“As histórias são uma bússola para as crianças, um guia de crescimento, de amadurecimento, porque ensinam o seguinte: a vida é difícil, tem obstáculos, mas você vai conseguir. Tenha esperança, por mais que você se sinta inferior por ser pequeno o tempo passa, cresceremos e nos fortaleceremos. E como disse uma avó para uma neta em situação de perigo, isso num livro que indico para jovens e adultos (A Cinderela Chinesa, Adeline Yen Mah): " Minha neta, as histórias sempre serão um talismã contra o desespero", disse o escritor.

Outras opções de entretenimento infantil em casa

  • Shakespeare infantil

Especializada em fazer versões de obras de William Shakespeare para crianças, a Cia Vagalum Tum Tum teve adiada a estreia da sua temporada de Meu Reino Por Um Cavalo, no Teatro do Sesi-SP. O grupo já encenou O Príncipe da Dinamarca, baseado em Hamlet, e O Bobo do Rei, em Rei Lear. Enquanto a quarentena é necessária, o diretor Angelo Brandini decidiu levar cultura às casas das famílias publicando a íntegra de As Bruxas da Escócia, versão para Macbeth, clássico do autor inglês. Assista no YouTube do grupo: bit.ly/ciavagalume.

  • Mais peças de teatro

As crianças também podem se divertir com peças infantis no YouTube da Palavra Z Produções Culturais. A programação de quarta a domingo, que inclui teatro online para crianças, sai em publicações no Instagram (@palavra_z), com data e horário em que os espetáculos estarão disponíveis para o público. Nesta sexta, das 10 às 17 horas, Patrícia Piolho mostra a história de uma menina do interior que se muda para uma cidade grande e tem dificuldade para ser aceita na nova escola. Assista no YouTube em: bit.ly/palavra_z. 

  • Contação com autora

Enquanto não podem encomendar os livros de Emília Nuñez, leitores mirins e suas famílias podem ouvir as histórias em contações no Instagram da autora (@maequele). Todos os dias, às 11 horas, ela faz uma transmissão ao vivo com um dos títulos, normalmente à venda no site meutibi.com.br – as encomendas estão suspensas, já que a empresa liberou todos os funcionários, incluindo os de estoque e envio de pedidos. Antes da contação, ela publica a sinopse da história do dia. Os vídeos ficam disponíveis por 

24 horas no Instagram.

  • Contação com atriz

O Que Você Faz Com Um Problema, livro de Kobi Yamada, é mais do que indicado para mostrar às crianças como lidar com situações como a que estamos vivendo agora. Ele e O Caso de Bolinho, de Tatiana Belinky, já foram lidos pela atriz Flávia Scherner, a Fafá. De segunda a sexta, ela conta histórias e recita poesias ao vivo para a garotada no Instagram (@fafaconta) e no YouTube – segundas, quartas e sextas, às 10h30; terças e quintas, às 16h30. Os vídeos ficam no YouTube (bit.ly/fafa-conta) e podem ser vistos até 24 horas depois no Instagram.

  • Animação com música

Os personagens Isa, Toto, João Comilão, Toddy e Sara brincam e divertem os bem pequenos em animações com música no canal Totoykids. O novo vídeo Bateria de Panela mostra uma brincadeira que muita criança já fez: um batuque com colher de pau. Criada em 2014, nos Estados Unidos, pelos brasileiros André Vaz e Isaa Val, a empresa tem canal em português, inglês e espanhol, com cerca de 27 milhões de inscritos no total. Especialistas em educação e desenvolvimento infantil participam da produção de conteúdo. Veja: bit.ly/totoy-kids

  • Cordel infantil

Durante esse período de isolamento, a poeta e cordelista Mariane Bigio usa seu talento para animar a garotada com o projeto Quarentena Interativa, no canal que ela e a irmã, a musicista Milla Bigio, mantêm no YouTube. Independentemente das lives, o forte são os vídeos produzidos antes desse período; entre eles, O Romance do Homem da Meia-Noite com a Mulher do Dia. Além de divertida, a história apresenta às crianças as duas figuras tradicionais do carnaval e da cultura pernambucana. Assista no YouTube: bit.ly/contacordel.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.