Mulheres do Texas processam editora de 'Cinquenta Tons de Cinza' por royalties

Duas texanas que disseram ser parte da equipe original da publicação de “Cinquenta Tons de Cinza” entraram com uma ação pedindo parte dos lucros do best-seller global do qual supostamente foram levadas a abrir mão pela sua parceira australiana.

Reuters

30 de maio de 2014 | 17h49

Jennifer Lynn Pedroza e Christa Beebe abriram o processo em um tribunal do condado de Tarrant, no Estado do Texas, na quinta-feira contra Amanda Hayward e a editora The Writers Coffee Shop solicitando o que consideram uma parcela justa dos royalties e adiantamentos da trilogia erótica.

A The Writers Coffee Shop (TWCS), da qual Hayward é executiva-chefe, não estava disponível de imediato para comentários.

A ação alega que Hayward excluiu as duas texanas da receita dos romances por meio de um acordo com a editora Random House, que encaminhou os pagamentos para Hayward, e não às suas parceiras.

“Ela, então, induziu Pedroza e Beebe de forma fraudulenta a assinar ‘acordos de serviço’ com a TWCS, e posteriormente excluiu ambas”, diz a ação.

A série “Cinquenta Tons de Cinza”, da autora britânica E.L. James, vendeu mais de 100 milhões de exemplares no mundo todo, informou sua editora norte-americana, a Vintage Books, em fevereiro.

(Reportagem de Jon Herskovitz) 

Tudo o que sabemos sobre:
LIVROTONSDECINZAPROCESSO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.