Carlos Pontalti
Carlos Pontalti

Morre aos 71 anos o jornalista, poeta e editor Fernando Alexandre

Mais conhecido como Fernandão, ele foi um dos criadores do Lira Paulistana, palco da chamada Vanguarda Paulista nos anos 1980

Redação, O Estado de S.Paulo

12 de abril de 2021 | 18h30

O jornalista, poeta, editor e dicionarista Fernando Alexandre morreu na última quarta-feira, 7, aos 71 anos, em Florianópolis, em decorrência de falência múltipla dos órgãos. A informação foi confirmada ao Estadão pelo poeta Rodrigo Garcia Lopes, amigo do agitador cultural, mais conhecido como Fernandão.

Nascido em Maceió, em 1950, Fernando Alexandre Guimarães Silva foi um dos criadores do Lira Paulistana, palco da chamada Vanguarda Paulista nos anos 1980 e um dos principais espaços culturais alternativos de São Paulo, funcionando como casa de shows, cinema, teatro, jornal, editora e gravadora entre 1979 e 1986. Por lá, foram lançados os primeiros discos de Itamar Assumpção, Cida Moreira e outros artistas.

Como jornalista, Fernando trabalhou em redações de veículos de São Paulo, Paraná e Santa Catarina, como Veja, TV Iguaçu, Diário do Paraná, O Estado do Paraná, Indústria e Comércio e Folha de Londrina. Editou por dois anos a Gazeta de Pinheiros.

Como dicionarista, Fernando foi autor de Dicionário da Ilha - Falar & Falares da Ilha de Santa Catarina, obra que somava 3.732 verbetes e registrou 57 mil exemplares vendidos, e Dicionário do Surf - A Língua das Ondas

Durante os últimos meses de sua vida, Fernando se dedicou a organizar um livro de poemas. Seu blog pode ser acessado aqui.

Especialista na cultura dos nativos de Florianópolis, Fernando morreu no dia do jornalista, 7 de abril, e suas cinzas foram jogadas ao mar por amigos pescadores numa pequena cerimônia no último sábado, 10. Fernando deixa uma filha, Tupá Guerra.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.