PHILIPPE WOJAZER / Reuters
PHILIPPE WOJAZER / Reuters

Morre a escritora argelina Assia Djebar

Candidata recorrente ao Prêmio Nobel de Literatura, autora retratou a vida de mulheres muçulmanas em 50 anos de trabalho

O Estado de S. Paulo, com agências

10 de fevereiro de 2015 | 08h52

ARGEL - A famosa escritora argelina Assia Djebar, membro da Academia Francesa, morreu na última sexta-feira, 6, aos 79 anos, em um hospital em Paris, vítima de uma prolongada enfermidade, de acordo com a família.

Assia Djebar era um pseudônimo utilizado por Fattma Zohra Imalhayène, nascida na cidade Chercherl, a 80 km da capital argelina, em 1936. Autora da reconhecida obra Tinhinan, foi a primeira argelina e a primeira mulher muçulmana a entrar na escola normal superior de meninas em Sèvres, na França.

O presidente francês François Hollande divulgou um comunicado lamentando a morte, descrevendo Djebar como uma "grande intelectual". A escritora era professora de literatura francesa na New York University, e candidata permanente ao Prêmio Nobel de Literatura.

Foi na Europa que escreveu seu primeiro romance, A Sede. Sua obra foi traduziada para mais de 23 idiomas e contém livros de poemas, romances, ensaios, peças de teatro, além de produções cinematográficas, o que lhe garantiu lugar entre os intelectuais mais influentes do Magreb. / EFE

Tudo o que sabemos sobre:
Assia Djebar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.