Lucy Nicholson/ Reuters
Lucy Nicholson/ Reuters

Margaret Atwood: movimento #Metoo é sintoma de Justiça falida

Escritora fala de "estrelas caídas do céu", ao se referir às atrizes que denunciaram abusos de Harvey Weinstein

AFP

15 Janeiro 2018 | 12h21

A escritora canadense Margaret Atwood causou polêmica neste fim de semana, após a publicação no sábado, 13, de um artigo seu, afirmando que o movimento contra assédio sexual #Metoo reflete uma Justiça que não funciona.

"O movimento #Metoo é sintoma de um sistema judiciário falido", escreveu ela na coluna intitulada "Sou uma má feminista", publicada no jornal Globe and Mail.

"Com muita frequência, mulheres e outras vítimas de abuso sexual não conseguem obter uma audiência justa das instituições, incluindo as empresas, motivo pelo qual usam uma nova ferramenta: a Internet", continua.

As reações não demoraram, muitas delas contrárias ao texto de Atwood, autora de O conto da Aia, que ganhou vários prêmios Emmy em setembro. O romance descreve o futuro apocalíptico de uma sociedade que transforma mulheres férteis em escravas sexuais.

** Atriz Catherine Deneuve pede desculpas a vítimas de assédio sexual

Referindo-se às atrizes que denunciaram os abusos do produtor de Hollywood Harvey Weinstein, a romancista de 78 anos fala de "estrelas caídas do céu".

Ela também cita episódios históricos para denunciar os riscos de uma justiça rápida e popular.

** Jessica Chastain: ‘A única maneira de mudar algo é não ignorá-lo’

A ideia de que alguém "é culpado, porque é acusado" foi aplicada durante "a Revolução Francesa, os expurgos do stalinismo na URSS, o período da Guarda Vermelha na China, a ditadura argentina, ou os primeiros dias da Revolução Iraniana".

"A sentença sem julgamento é o começo da resposta à falta de justiça. Ou o sistema está corrupto, como na França pré-revolucionária, ou simplesmente não há um, como no Faroeste. Então, as pessoas fazem justiça com as próprias mãos", escreveu.

** 'O tempo dos abusadores já acabou', diz Oprah Winfrey no Globo de Ouro

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.