Polícia Metropolitana/Divulgação via REUTERS
Polícia Metropolitana/Divulgação via REUTERS

Livros raros são devolvidos aos donos após roubo cinematográfico no Reino Unido

Os livros antigos, considerados de relevância cultural internacional, incluem obras do cientista inglês Isaac Newton e do artista espanhol Francisco Goya e relacionadas ao astrônomo italiano Galileu Galilei

Agências, Reuters

10 de novembro de 2020 | 16h22

LONDRES - Um verdadeiro tesouro de 240 livros raros no valor de mais de 3,3 milhões de dólares foi devolvido aos proprietários depois de ser roubado em Londres por um grupo de romenos que invadiu um depósito pelo telhado para evitar disparar os alarmes.



Os ladrões, que foram presos no Reino Unido no mês passado, foram apelidados pela mídia britânica de "gangue Missão: Impossível" por causa de sua técnica acrobática, que lembrou uma cena famosa do filme de 1996 na qual Tom Cruise penetra em um cofre içado por uma corda.

Os livros antigos, considerados de relevância cultural internacional, incluem obras do cientista inglês Isaac Newton e do artista espanhol Francisco Goya e relacionadas ao astrônomo italiano Galileu Galilei, informou a Polícia Metropolitana.

O roubo aconteceu em janeiro de 2017 em um depósito de Feltham, no oeste londrino, onde os livros, que pertenciam a negociadores especializados e haviam sido enviados da Itália e da Alemanha, estavam sendo armazenados antes de serem enviados a uma feira literária norte-americana.

Depois de abrirem buracos na cerca do perímetro para chegar ao depósito, os ladrões abriram buracos no telhado e desceram até as estantes, evitando ativar alarmes de sensores instalados nas portas.

O roubo foi um dos 12 realizados pela gangue - ligada ao grupo do crime organizado Clamparu, que é radicado na região de Iasi, no leste da Romênia - em vários locais do Reino Unido ao longo de um período de mais de dois anos e meio.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.