Arquivo/Estadão
Arquivo/Estadão

Livro resgata testemunho de sobreviventes do Holocausto

A historiadora Maria Luíza Tucci Carneiro vem estudando a história dos refugiados judeus desde 1984 e conseguiu reunir 364 declarações

José Maria Mayrink, O Estado de S. Paulo

27 de fevereiro de 2019 | 03h00

Mais de 20 mil judeus fugiram da Europa e conseguiram entrar no Brasil com passaportes falsos e outros 15 mil, interceptados em portos brasileiros pela polícia política de Getúlio Vargas, tiveram de retornar a seus países, porque o governo considerava ilegais seus vistos de entrada. Os documentos eram emitidos por consulados que, principalmente na Alemanha, França e Holanda, ignoravam a proibição das Circulares Secretas enviadas pelo Itamaraty a seus subordinados no exterior, proibindo a concessão de vistos. 

Os imigrantes judeus se instalavam em São Paulo com a ajuda da Congregação Israelita Paulista (CIP), fundada em 1936, um ano antes da criação do Estado Novo, em 1937, quando Getúlio Vargas alinhava seu governo com o nazismo de Adolph Hitler e o fascismo de Benito Mussolini. A polícia da ditadura extraditou centenas de judeus, entre os quais Olga Benário, mulher de Luís Carlos Prestes, secretário-geral do Partido Comunista Brasileiro, para agradar aos nazistas. Na Alemanha, Olga foi assassinada num campo de concentração. 

A história da CIP e de centenas de vítimas e sobreviventes do Holocausto é o tema do livro Olhares de Liberdade. CIP – Espaço de Resistência e Memória (CIP, 280 págs., R$ 50), da historiadora Maria Luíza Tucci Carneiro, professora da Universidade de São Paulo (USP).

Além das informações levantadas pela pesquisadora, o livro tem textos dos atuais rabinos da CIP – Fernanda Tomchinsky-Galanternik, Michel Schlesinger e Ruben Sternschein. “Desde sua fundação em 1936, a Congregação Israelita Paulista teve, como seu maior propósito, a defesa da liberdade. Essa defesa passava, primordialmente, pela libertação dos refugiados judeus que chegavam ao Brasil fugindo dos horrores perpetrados pelos nazistas e pela Segunda Guerra Mundial”, escreve o presidente da CIP, Marcos Lederman, em mensagem na abertura do livro. 

Maria Luíza vem estudando a história dos refugiados judeus desde 1984, quando começou a preparar sua tese de mestrado. Em 1991, defendeu a tese de doutorado na USP – O Antissemitismo na Era Vargas – à qual se seguiram a tese de livre-docência O Brasil Diante do Holocausto e dos Refugiados do Nazifascismo 1933-1948 e pelo menos outros cinco livros.

A pesquisadora gravou 364 testemunhos de sobreviventes da tragédia que assassinou cerca de 6 milhões. A história é contada por judeus que conseguiram escapar da morte ou por seus descendentes. O material coletado está guardado nos arquivos da USP. Essa entidade foi criada com a finalidade de preservar a memória. “As novas gerações não se interessam pelos relatos de seus antepassados sobre uma tragédia que não pode ser esquecida”, lamenta a historiadora. 

Olhares de Liberdade, que enaltece a CIP como espaço de resistência e memória, lembra a contribuição dos judeus para a sociedade brasileira. Por exemplo, o arquiteto Jorge Wilheim, o pintor Lasar Segall e o industrial Siefried Adler, fundador da Manufatura de Brinquedos Estrela Ltda.

Outros nomes, embora sejam brasileiros natos e não refugiados, como o empresário José Mindlin, são citados pelo apoio que deram à CIP. Wilheim, que era italiano de Trieste e descendente de judeus húngaros, emigrou para o Brasil com uma certidão de batismo falsa, concedida pela Igreja Católica, e voltou a praticar o judaísmo, assim como fizeram outros judeus em igual situação.

O rabino Henry Sobel, da CIP, merece destaque no livro por sua atuação no episódio do assassinato do jornalista Vladimir Herzog. Ele não aceitou a versão de suicídio e autorizou que Herzog fosse sepultado no Cemitério Israelita do Butantan conforme os ritos judaicos, em vez de ser isolado na ala destinada aos suicidas.

Sobel participou, ao lado do cardeal-arcebispo d. Paulo Evaristo Arns e do reverendo presbiteriano Jaime Wrigth, do ato inter-religioso na Catedral da Praça da Sé, em memória do jornalista. A celebração reuniu cerca de oito mil pessoas e foi considerada uma manifestação importante para a derrubada da ditadura

Maria Luíza inclui na história dos refugiados os diplomatas brasileiros que, apesar das Circulares Secretas do Itamaraty, concederam vistos para centenas de judeus entrarem no Brasil. A maioria dos vistos foi liberada pelo embaixador Luiz Martins de Souza Dantas, que foi forçado a transferir-se de Paris para Vichy, em 1940, após a ocupação da França.

Cem mil judeus estavam reunidos nas cidades de Nice, Marselha e Lyon. O embaixador concentrou a concessão de vistos em Marselha, onde estavam o cônsul Maurilio Martins de Souza e o vice-cônsul Roberto de Castro Brandão que, em dois anos, emitiram vistos, salvando centenas de judeus e perseguidos políticos. Entre eles o diretor de teatro polonês Ziembinski, que não era judeu. 

No Consulado-Geral de Hamburgo, na Alemanha, a secretária Aracy Moebius de Carvalho e seu marido, o escritor João Guimarães Rosa, que era cônsul adjunto, assinaram centenas de vistos para judeus que pretendiam fugir para o Brasil.

Aracy foi homenageada no Museu do Holocausto, em Jerusalém, ao ser incluída na galeria dos Justos entre as Nações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.