Estadão
Estadão

Livro póstumo de José Saramago será lançado no Brasil em outubro

'Alabardas, Alabardas! Espingardas, Espingardas!' é um romance contra o tráfico de armas

EFE

30 Setembro 2014 | 11h44

Alabardas, Alabardas! Espingardas, Espingardas!, romance contra o tráfico de armas, é a obra póstuma do prêmio Nobel José Saramago publicada na semana passada em sua terra natal e que será lançado dia 1 e dia 27 de outubro na Espanha e no Brasil, respectivamente.

Pilar del Río, sua viúva e tradutora para o espanhol, explicou à Agência EFE que o livro de Saramago (1922-2010) é uma mensagem contra "a violência, a guerra e a barbárie" em um mundo no qual cada vez há mais presença de armas, tanto na Europa, como na América Latina e no Oriente Médio.

"Publicamos os textos como estavam", acrescentou a jornalista espanhola, que sustentou que os capítulos deixados pelo escritor funcionam perfeitamente como um relato.

Alabardas, Alabardas! Espingardas, Espingardas!, título extraído de um verso do dramaturgo português Gil Vicente, é um livro inacabado que o próprio autor começou no final de 2009 e deu sequência em fevereiro de 2010.

No entanto, quatro meses depois, Saramago morreu na Ilha de Lanzarote (as Canárias, Espanha) aos 87 anos. A obra do primeiro e único escritor de língua portuguesa a conquistar o Prêmio Nobel de Literatura (1998) tem cerca de 130 páginas.

O texto, que mostra o absurdo no qual os humanos muitas vezes se envolvem, conta além disso com ilustrações do prêmio Nobel alemão Günter Grass e um pósfacio do ensaísta e poeta espanhol Fernando Gómez Aguilera, um especialista na obra do literato português. A edição brasileira, da editora Companhia das Letras, ainda tem textos de Luiz Eduardo Soares e Roberto Saviano.

O livro indaga as contradições entre um homem obsessivo com as armas e uma mulher que as detesta. Ambos, que são marido e mulher, vivem uma trama com outros personagens relacionados com o mundo das armas e sua indústria. O livro será oficialmente apresentado em 2 de outubro em Lisboa.

Acima de tudo, o objetivo deste lançamento é fazer uma afirmação contra "a barbárie" e a guerra, disse Del Río.

Saramago, autor de romances como Ensaio sobre a Cegueira (1995) e O ano da morte de Ricardo Reis (1984), promoveu também a Fundação José Saramago, criada em 2007 para assumir, tanto na letra como no espírito, a Declaração Universal dos Direitos Humanos.

O escritor português nascido na aldeia de Azinhaga em 1922 editou sua primeira obra, Terra do Pecado, em 1947, e cultivou também outros gêneros como o ensaio, os artigos e contos.

Mais conteúdo sobre:
José Saramago

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.