Reprodução
Reprodução

Livro faz relato intenso sobre a tragédia aérea que se tornou referência

Em 'Voo Cego', Ivan Sant’Anna descreve com detalhes o drama da queda de um avião por falta de combustível

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

25 Janeiro 2017 | 03h00

O acidente aéreo que envolveu um voo da Avianca, no dia 25 de janeiro de 1990, tornou-se um marco na história da aeronáutica internacional. Isso porque uma série de negligências acarretou na morte de 73 passageiros, deixando outras 81 gravemente feridas. É sobre esse assunto que se debruçou Ivan Sant’Anna que, auxiliado por Luciano Mangoni, escreveu Voo Cego (Objetiva).

Sant’Anna é diplomado em mercado de capitais, mas se tornou conhecido pelos livros-reportagem sobre grandes fatos, como Caixa-Preta, que reconstitui a história de três acidentes aéreos que comoveram o País. Para Voo Cego, ele se uniu a Mangoni, piloto profissional, comandante de Boeing 777, que auxiliou nos termos técnicos. “Convidei Luciano justamente para que o livro tivesse índice zero de erros aeronáuticos, já que sou piloto de monomotor”, explica ele.

Tamanho preciosismo se explica – aquele voo saiu de Bogotá, na Colômbia, e, depois de uma escala em Medellín, seguiria para Nova York. A viagem começou ensolarada, mas, em território americano, o tempo ficou chuvoso, com nevoeiro e fortes ventos, o que tornava a aterrissagem perigosa. Com isso, uma fila de aviões se formou no ar, esperando a autorização para pouso. Isso selou o destino do Avianca.

Havia três pilotos responsáveis e apenas um, o mais jovem, falava inglês com fluência. O problema era sua timidez, que se tornou fatal. Assim, a quantidade de giros no ar consumiu o combustível da aeronave, mas, apesar da gravidade da situação, em nenhum momento os controladores foram avisados do estado de emergência. Com isso, o avião não teve prioridade no pouso.

Resultado: a poucos quilômetros da pista, a aeronave ficou sem combustível (pane seca) e caiu na região conhecida como Cove Neck. “Embora tivesse havido incompetência (mas não negligência) dos pilotos colombianos, houve negligência dos controladores americanos. E as condições meteorológicas foram preponderantes no desfecho do voo 52”, observa Sant’Anna, que detalha todo o drama dos pilotos e dos passageiros em uma escrita de tirar o fôlego. No final, lembra da semelhança com o voo que vitimou quase toda equipe da Chapecoense.

VOO CEGO

Autores: Ivan Sant’Anna e Luciano Mangoni.

Editora: Objetiva (200 págs., R$ 45)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.