Michael Dalder|Reuters
Michael Dalder|Reuters

Livro é documento para entender como Hitler chegou ao poder

Minha Luta, o título do livro que Hitler ditou quando esteve na prisão, entre 1923 e 1924, resume a ideia-força por meio da qual o ditador nazista, dez anos mais tarde, conduziria a Alemanha ao desastre e o mundo à ruína: a luta permanente, sem trégua, de vida ou morte, contra o inimigo dos inimigos - os judeus. O conceito de luta (Kampf, em alemão) é central para compreender o nazismo. Trata-se da mobilização de toda a Volksgemeinschaft (a comunidade nacional germânica) com a finalidade de prepará-la para enfrentar a ameaça judaica, cuja manifestação, de acordo com a literatura antissemita da época, era tão sutil que deveria ser comparada à ação silenciosa - e mortal - dos vírus e das bactérias. 

Marcos Guterman, O Estado de S.Paulo

23 Janeiro 2016 | 03h00

Hitler jamais tratou de outros temas de forma tão abrangente e insistente quanto esse ao longo de sua trajetória. Por essa razão, aqueles que se interessam em estudar suas ideias, para entender como Hitler chegou ao poder e como conseguiu convencer os alemães a participar do empreendimento genocida, não têm como evitar o Minha Luta - documento essencial que, felizmente, entra em domínio público e poderá ser livremente consultado. 

A censura ao livro não se justificava em primeiro lugar porque seu conteúdo não difere em nada do que se havia escrito abundantemente desde o final do século 19 na Alemanha e em outras partes do mundo ocidental a propósito dos judeus. Um exemplo é o do ideólogo nacionalista alemão Paul de Lagarde (1827-1891), que escreveu que os judeus eram os veículos da decadência e da exploração, agiam como bacilos e pretendiam dominar o mundo: “Com bacilo não se negocia ou se educa; eles têm de ser eliminados o mais rápida e completamente possível” (Juden und Indogermanen, 1887).

 

Como esse, há inúmeros casos de pensadores europeus que antecederam a Hitler e que construíram o argumento que tornou aceitável a aniquilação real, e não metafórica, dos judeus. E nenhum dos textos produzidos por eles está sob censura. Minha Luta destaca-se entre essas obras não por suas ideias, já suficientemente conhecidas e disseminadas, e sim porque permite que se vislumbre a construção da estratégia de Hitler, cujo regime viria a se tornar o símbolo mais bem-acabado do totalitarismo. E lá está em detalhes - monótonos e repetitivos - a poderosa argumentação do ditador para conquistar os alemães, especialmente a oferta de sacrifício permanente e inegociável. 

Hitler mistura sua biografia com a do país que viria a governar dez anos mais tarde como se ambos fossem uma única e indissociável entidade. Já no poder, ele resumiria essa percepção numa frase dirigida aos alemães: “Tudo o que vocês são, o são através de mim; tudo o que eu sou, sou somente através de vocês”. Assim, Hitler usou o Minha Luta como sua plataforma política. Depois de sua publicação e ampla difusão, ninguém poderia dizer que desconhecia seus propósitos. 

A certa altura do livro, a respeito da derrota alemã na Primeira Guerra, Hitler escreveu: “Se, no começo e durante a guerra, tivéssemos submetido à prova de gases asfixiantes uns 12 ou 15 mil desses judeus, desses corruptores de povos, prova a que, nos campos de batalha, se submeteram centenas de milhares dos nossos melhores operários alemães de todas as categorias, não se teria visto o sacrifício de milhões de nossos compatriotas das linhas da frente”. Não se pode dizer, a rigor, que essa frase, como várias outras de teor semelhante no Minha Luta, prenuncia o genocídio dos judeus. Mas deixa claro que, para Hitler, era apenas uma questão de oportunidade.

Mais conteúdo sobre:
Luta Alemanha Literatura Adolf Hitler

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.