Eric Gaillard/Reuters
Eric Gaillard/Reuters

Livrarias da França lutam para sobreviver após confinamento

Em algumas lojas, o uso de máscara é obrigatório e o desinfetante para as mãos está prontamente disponível na porta da frente e no interior

Redação, Reuters

13 de maio de 2020 | 17h44

PARIS — As livrarias da França sobreviveram à televisão e depois ao advento das compras online, mas as oito semanas de isolamento, por causa da pandemia do novo coronavírus, estão pesando bastante nas margens de lucro e ameaçam a sobrevivência de algumas lojas.

As livrarias francesas foram autorizadas a reabrir na segunda-feira, 12, pela primeira vez desde 17 de março, enquanto o governo tenta equilibrar a necessidade de ressuscitar uma economia em colapso com o risco de que a propagação do novo coronavírus acelere mais uma vez.

Na livraria ICI, no segundo distrito de Paris, o uso de máscara é obrigatório e o desinfetante para as mãos está prontamente disponível na porta da frente e no interior, para permitir que os clientes peguem e procurem os livros.

“As pessoas estão tomando cuidado para não tocar demais nos livros. E dizemos a elas que, se tocarem nos livros, precisam usar o gel (higienizante) a cada vez”, disse a co-fundadora Anne-Laure Vial.

Os 12 funcionários da Bouetard estão de volta à folha de pagamento após serem temporariamente dispensados, e a loja solicitou dois empréstimos para ajudar a cobrir os custos.

A França é um paraíso para os bibliófilos. Existem grandes cadeias de livrarias, mas livrarias independentes são uma característica onipresente dos bairros parisienses. Dentro delas, a agitação da capital francesa desacelerou enquanto os clientes percorrem as prateleiras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.