Juca Ferreira nega ter confirmado presença em Frankfurt

Escritor Paulo Coelho atacou ministro por ter cancelado presença na Feira do Livro da cidade alemã

Edmundo Leite - estadao.com.br ,

09 de outubro de 2008 | 21h41

O Ministério da Cultura voltou a negar, desta vez em uma nota oficial, que o ministro Juca Ferreira tenha confirmado presença na Feira do Livro de Frankfurt, como afirmou o escritor Paulo Coelho em carta enviada à imprensa.  Na carta, o escritor afirmou que o ministro cancelou a participação no evento após ter confirmado a presença e acusou Ferreira de "completa e absoluta falta de respeito comigo, com meus editores nacionais e internacionais, com a Feira de Frankfurt e com os meus leitores." Na nota, o ministério diz que a "aceitação do convite ficou impossibilitada pela convocação para Encontro Ibero-Americano - Agenda Afrodescendente das Américas promovido pelo Ministério da Cultura da Colômbia, com participação da Secretaria Geral Ibero-americana".  E termina afirmando que o ministério "reconhece a contribuição da obra de Paulo Coelho para a literatura nacional - fato consagrado por sua eleição à Academia Brasileira de Letras -, para a difusão da cultura brasileira no exterior - confirmada pela venda de cem milhões de exemplares de seus livros no mundo todo - e para a popularização da literatura no país." Leia a íntegra da nota: Nota de esclarecimento do Ministério da Cultura em relação a nota do escritor Paulo Coelho O Ministério da Cultura esclarece, em vista da carta divulgada em seu blog pelo escritor Paulo Coelho, que em momento algum confirmou a ida do ministro da Cultura, Juca Ferreira, à 60ª edição da Feira de Frankfurt, nem ao evento comemorativo à marca de cem milhões de livros vendidos pelo escritor em todo o mundo. A aceitação do convite ficou impossibilitada pela convocação para Encontro Ibero-Americano - Agenda Afrodescendente das Américas promovido pelo Ministério da Cultura da Colômbia, com participação da Secretaria Geral Ibero-americana. Será o primeiro encontro de ministros na América do Sul para discutir, especificamente, políticas regionais para a cultura negra. A ausência pessoal do ministro de Estado na Feira de Frankfurt, no entanto, não representa, de forma alguma, o descompromisso do governo brasileiro com o evento, o mais tradicional e amplo do gênero. O Ministério da Cultura realizará atividades na 60ª Feira de Frankfurt, como parte de sua política de valorização e qualificação das feiras nacionais e internacionais de leitura.  Haverá um stand temático do Machado de Assis, em referência ao centenário de sua morte, organizado pelo Ministério da Cultura em parceria com Fundação Biblioteca Nacional, Câmara do Livro e Agência Brasileira de Promoção das Exportações (Apex). O governo também levará dois brasilianistas, Thomas Sträter e Berthold Zilly, para falar sobre a influência internacional da obra de Machado.  Finalmente, o Ministério da Cultura será representado pelo ministro interino da Cultura, Alfredo Manevy, e o coordenador do Plano Nacional de Livro e Leitura, Jefferson Assunção. A pedido da organização da feira, será palestra sobre a política de livro e leitura do governo brasileiro. O ministério reconhece a contribuição da obra de Paulo Coelho para a literatura nacional - fato consagrado por sua eleição à Academia Brasileira de Letras -, para a difusão da cultura brasileira no exterior - confirmada pela venda de cem milhões de exemplares de seus livros no mundo todo - e para a popularização da literatura no país.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.