Guilherme Sobota/Estadão
Guilherme Sobota/Estadão

Jornalista inglês diz ter medo da situação da segurança no Rio após a Olimpíada

Misha Glenny está em Paraty para falar de seu novo livro, 'O Dono do Morro', que conta a história de Nem da Rocinha e do desenvolvimento do tráfico de drogas na cidade

Guilherme Sobota - Enviado Especial, O Estado de S. Paulo

30 de junho de 2016 | 11h50

PARATY - O jornalista inglês Misha Glenny, que está na Flip lançando o livro O Dono do Morro, sobre Nem da Rocinha, acredita que a crise política e econômica no Brasil está causando um impacto muito ruim nas UPPs no Rio de Janeiro. “O sistema está colapsando”, disse em entrevista coletiva nesta quinta-feira, 30. “O corte de orçamento de segurança teve muito impacto. Tenho medo de que a situação depois dos Jogos Olímpicos ficará muito pior, não somente no morro, mas também no asfalto.”

Glenny entrevistou Nem - que foi líder do tráfico na Rocinha entre 2005 e 2011 - dez vezes, morou um par de meses na Rocinha e realizou outras dezenas de entrevistas com advogados, jornalistas, políticos, moradores do Rio, além de uma pesquisa documental extensa. “Estava buscando um assunto que pudesse explicar a complexidade do Brasil, e me pareceu que Nem poderia ser esse assunto”, justificou. 

“Fiquei impressionado porque metade do Rio acreditava que ele foi um demônio, e a outra metade o considerava um herói, um tipo de Robin Hood”, comentou, em seu português claro. “Ele é um símbolo da desigualdade da sociedade brasileira e carioca, de como ela é dividida.” Misha está na programação oficial da Flip, quando fala nesta quinta-feira, 30, ao lado de Caco Barcellos, às 15h.

O livro também passa pela história do desenvolvimento das quadrilhas no Rio, bem como o impacto do negócio da cocaína na cidade. “O Brasil se tornou a rota principal de drogas entre a Colômbia e a Europa”, explicou Glenny. “Isso desenvolve o hábito local também.”

Questionado se a legalização de drogas mais leves, como a maconha, teria um impacto importante no combate à violência no Rio, ele se mostrou cético. “Seria uma passo adiante, mas só. Eles também vendem maconha, mas o Nem diz que é um ‘pé no saco’, porque pesa muito, dá pouco lucro e fede demais”, contou.

Outro personagem do livro do inglês é o secretário de Segurança do Rio, José Mariano Beltrame. “Ele me disse que, quando chegou à Secretaria, achou um escândalo a ausência do estado nas favelas por 50 anos.” Glenny considera as UPPs um experimento “muito corajoso e ousado”.

Para ele, a falha do estado em relação às UPPs foi a falta de cooperação entre as UPPs políciais e as UPPs sociais. “As UPPs fizeram diminuir os níveis de homicídio, mas os incidentes de roubo, extorsão, violência doméstica e até estupros subiram nas mesmas áreas”, lamentou.

Ele citou o caso Amarildo, na Rocinha. “Esse caso quase derrubou as UPPs. Isso mostra como esse projeto foi frágil. Especialmente agora, porque a crise no Brasil está tendo um impacto muito, muito ruim no sistema no RJ”, concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.