Zélia Gattai/Acervo Fund. Casa de Jorge Amado
Zélia Gattai/Acervo Fund. Casa de Jorge Amado

Jorge Amado, o operário das letras, ganha biografia

Obra de Joselia Aguiar que será lançada nesta quinta, 13, traça perfil inédito do escritor baiano que, durante muitos anos, foi o autor mais popular do Brasil

Ubiratan Brasil, O Estado de S. Paulo

13 Dezembro 2018 | 03h00

Foram sete anos de pesquisa, mas, graças à riqueza de detalhes que marca a trajetória de seu biografado, Joselia Aguiar garante que poderiam ter sido mais. “É um trabalho que podia ter o dobro do tamanho, e ainda assim ficaria coisa de fora”, assegura ela sobre Jorge Amado – Uma Biografia (Todavia), cujo lançamento acontece às 19h desta quinta-feira, 13, na Livraria Martins Fontes da Avenida Paulista. 

Trata-se de um recorte generoso, bem apurado e pleno de novidades sobre o homem que, durante muitos anos, foi o escritor mais popular do Brasil e o primeiro a derrubar barreiras em todos os continentes do planeta – só foi superado, anos depois, por Paulo Coelho. “De fato, a vida de Jorge foi vasta. Estreou cedo e produziu muito, e esses livros circularam em 49 idiomas e se tornaram novelas e filmes.”

Ao longo de seu trabalho – que conciliou com a função de curadora por dois bem-sucedidos anos da Festa Literária Internacional de Paraty, a Flip –, Joselia mostra como a trajetória literária e também política de Jorge Amado (1912-2001) se confunde com muitos momentos históricos do Brasil. Como sua relação com a política ideológica comunista, iniciada nos anos 1930. 

“Na obra de memórias Navegação de Cabotagem, ele se refere aos livros de seu período mais comunista como ‘tarefas partidárias’”, observa Joselia. “Muito cedo, Amado se identifica e lê autores de esquerda, envolvendo-se em muitas atividades políticas. Os livros nascem dele mesmo, é um autor propositivo, mas é claro que nascem de alguém envolvido totalmente com a causa comunista. Por que ‘tarefas partidárias’? Creio que para diminuir um pouco aqueles livros, pelos quais tinha carinho porque foram feitos na juventude, mas que considerava como ‘cadernos de aprendiz’.”

Joselia ressalta que, naquela época, década de 1930, Jorge Amado ainda não era importante aos olhos dos comunistas brasileiros ou estrangeiros. A situação só vai mudar quando ele decide escrever a biografia de Luís Carlos Prestes, então o grande líder comunista nacional. “O Cavaleiro da Esperança, de 1942, lhe abre portas e lhe dá um determinado prestígio. Mas a obra de Amado já circulava na França e nos Estados Unidos, e era publicada por editoras de gabarito, como Gallimard e Knopf. Depois de sua cassação como deputado, em 1948, ele vai para o exílio e conhece os países da cortina de ferro, onde é muito lido.

Carreira. Joselia Aguiar observa, em Jorge Amado – Uma Biografia que, quando se afasta do Partido Comunista, no final da década de 1950, o sucesso do escritor baiano só aumentava. Jorge Amado foi muito lido no Brasil e no exterior até o fim da vida, o que comprova ser falsa a acusação de que sua bem-sucedida carreira se deveu à ação direta do partido.

De fato, os lançamentos de livros de Amado chegaram a alcançar a astronômica tiragem de 100 mil exemplares, o que ganhava ainda mais força com as adaptações para cinema, teatro e novela de TV de obras como Gabriela Cravo e Canela (de 1958), Dona Flor e Seus Dois Maridos (1966) e Tieta do Agreste (1977). O que poderia explicar tamanho sucesso? Em seu livro Romântico, Sedutor e Anarquista – Como e Por Que Ler Jorge Amado Hoje (Objetiva), Ana Maria Machado percebeu que Amado fez a fusão amorosa entre o erudito e o popular, erotizou a narrativa, trouxe à tona questões sobre o não sectarismo, a miscigenação, a luta contra o preconceito e contra a pseudoerudição europeia.

Joselia também acredita que as narrativas centradas na afro-baianidade, portanto, distantes do tradicional olhar europeu, ajudam a explicar o êxito de Amado no exterior. “O entendimento que ele tem do candomblé aos 23 anos, quando escreve Jubiabá, é ainda muito contaminado pela sua opção comunista”, comenta. “Somente quando está com 57 anos, ele dá o salto que é Tenda dos Milagres, em que o candomblé é visto como resistência cultural e política, um contraponto à sociedade burguesa e a certa visão eurocêntrica. Dentro dos limites, claro, de um homem branco que nasce na primeira metade do século 20, quando certas categorias e discussões ainda não existiam. O que se pode afirmar é que, conforme se torna mais maduro e também se afasta do partido, sua apreensão do que é fazer romance se torna algo mais complexo, como é a própria vida.”

A força da miscigenação em sua obra sempre foi coroada de elogios. “A generalizada e estereotipada visão de que o Brasil seria reduzível à soma mecânica das populações brancas, negras, mulatas e índias, perspectiva essa que, em todo caso, já vinha sendo progressivamente corrigida, ainda que de maneira desigual, pelas dinâmicas do desenvolvimento nos múltiplos setores e atividades sociais do País, recebeu, com a obra de Jorge Amado, o mais solene e ao mesmo tempo aprazível desmentido”, comenta José Saramago, de quem o autor baiano foi amigo afetuoso – ambos tinham uma combinação de que fariam uma bela comemoração ao primeiro deles que vencesse o Prêmio Nobel de Literatura, o que acabou acontecendo em 1998, com a escolha do português. Saramago gostava de contar que foi surpresa para muita gente descobrir nos livros do escritor baiano a complexa heterogeneidade, não só racial, mas cultural da sociedade brasileira.

Mesmo assim, a obra de Jorge Amado nunca foi unânime, especialmente entre os críticos, apesar da legião de leitores fiéis. “Geração após geração, há sempre críticos mais conservadores que não aprovam as escolhas feitas por ele – personagens, encaminhamentos, palavras. Quando foi lançado Gabriela, um resenhista reclamou que Amado tinha transformado uma doméstica em heroína”, explica

Joselia, lembrando que a aposta no humor e no erotismo, mais presentes depois da década de 1960, também era alvo de reclamações. Como sua obra tratava de muitos dos problemas do Brasil, é impossível que não atingisse grupos ou certas concepções. Mas o fato é que Amado passa a escrever melhor conforme o tempo passa, e nem todos os críticos se dedicam a acompanhar isso.” E arremata: “Era um autor popular, mas não se pode dizer que era um autor comercial ou superficial”.

Joselia desmente ainda que Amado teria uma tendência ao ócio, reforçada pelo estereótipo da baianidade (na verdade, o escritor levantava-se às 4 horas da manhã, seja para escrever ou para responder a cartas), e ainda descobriu o original de um romance inédito, Rui Barbosa N.º 2, escrito em 1930, portanto, seria seu segundo romance se não fosse descartado pelo autor, desgostoso por não acreditar que dali se apresentaria algo novo. “Amado ainda esteve muito preocupado em entender como funcionava o mercado de livros no Brasil, e não esperava que, na maturidade, seria praticamente o único a viver de direitos autorais.”

Ele conhecia como poucos os desejos do leitor. “Quando começou a escrever ficção, ele já sabia que havia romances de autores burgueses feitos para a burguesia. Por isso, mirava outro leitorado, buscando, como dizia, os jovens trabalhadores. Isso na década de 1930”, observa. “É um tipo de livro que tem um sentido de formação de leitor, ótimo para um país de maioria analfabeta. De um lado, havia o romance intimista ou psicológico europeu, que muitos autores brasileiros consumiam. A leitura que mais o atraiu nesse momento, e que viu como modelo, foi a do romance proletário – e não apenas soviético –, a do romance social. Desde cedo, Amado não quis escrever para o grupo de literatos a que podia ter pertencido. Queria ser lido por todos, o que significava fazer certas escolhas literárias.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.