Jose Lucena/Futura Press
Jose Lucena/Futura Press

Incêndio atinge prédio do Grupo Editorial Record, na zona norte

Ninguém ficou ferido, mas ainda não há informações sobre as causas do fogo

Carina Bacelar, O Estado de S. Paulo

25 Março 2015 | 08h34

Atualizado às 11h15 RIO - Um incêndio na manhã desta quarta-feira, 25, atingiu o prédio do Grupo Editorial Record, em São Cristóvão, bairro da zona norte do Rio de Janeiro. Equipes do Corpo de Bombeiros, que controlaram as chamas por volta de 8h, permaneciam no local às 11h para realizar trabalhos de rescaldo, como vistoria e prevenção de novos focos. Ninguém ficou ferido. Ainda não há informações sobre as causas do fogo.

O incêndio começou às 6h50 no segundo andar do prédio, onde funciona a assessoria de imprensa, revisão, tecnologia e design. Havia 6 pessoas no momento, que não se feriram. O fogo começou na área reservada à Bertrand Brasil, um dos selos do Grupo Record - no mesmo andar, funcionam outros selos como Best Seller e Best Bolso.

Os bombeiros precisaram de mais ou menos uma hora para debelar o fogo. Para isso, quebraram as janelas do quarto andar para liberar a fumaça. Agora, fazem uma inspeção geral no edifício em busca de novos focos. "Há muito papel, especialmente livros, naquela área", conta a coordenadora da assessoria de imprensa do Grupo Record, Claudia Lamego. Segundo ela, os livros que estavam no local faziam parte de arquivos. Parte das publicações seria distribuída à imprensa. "Não temos ainda como dimensionar o prejuízo, porque a gente ainda não pode entrar no prédio", disse Claudia.

Como a área de tecnologia também foi atingida, os funcionários não estão conseguindo acessar o e-mail com domínio da editora. A sala dos profissionais de design também foi danificada pelas chamas.

Em nota divulgada na página de Facebook da editora, o Grupo Editorial Record agradeceu "as mensagens de preocupação e apoio de leitores, amigos, autores e colaboradores".

Por causa das chamas, a Rua Argentina, onde o imóvel está localizado, foi interditada entre as Ruas General Argolo e Senador Alencar. De acordo com o Centro de Operações Rio (COR), a interdição provocou reflexos no trânsito no início da manhã.  Segundo o Corpo de Bombeiros, equipes dos quartéis de São Cristóvão, Benfica, Caju (ambos na zona norte) e Quartel Central (no centro) participaram da operação de combate às chamas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.