Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Ignácio de Loyola Brandão é eleito imortal da Academia Brasileira de Letras

Jornalista, escritor e cronista do Estado desde 1993, Ignácio de Loyola Brandão foi eleito por unanimidade e assume a cadeira 11, vaga desde a morte de Helio Jaguaribe

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S. Paulo

14 de março de 2019 | 16h46

Em 2016, às vésperas de completar 80 anos, Ignácio de Loyola Brandão ganhou o Prêmio Machado de Assis, concedido pela Academia Brasileira de Letras a um escritor pelo conjunto da obra. Seu nome logo surgiu como um possível candidato a uma eventual vaga na ABL – mas ele não quis. De lá para cá, três escritores, um cineasta e um jurista foram eleitos imortais. A instituição tem 40 membros e uma nova eleição é convocada quando um deles morre. 

“Eu nunca tinha pensado em me candidatar, achava que não era para mim. Mas é para mim, também. Quero abraçar o mundo com as mãos, com os pés. Não sei quanto tempo mais eu tenho, mas sinto uma vontade tão grande de chegar lá em cima e esse era mais um passo, mais um degrau subido. E se vierem outros eu vou subindo, nem que sejam os da Penha”, brincou o escritor em entrevista ao Estado assim que soube que tinha sido eleito, por unanimidade, aos 82 anos, o novo imortal da Academia Brasileira de Letras.

A eleição foi realizada na tarde desta quinta-feira, 14, e Loyola Brandão concorreu com outros 11 candidatos – nenhum com sua trajetória reconhecida pela crítica e pelo público – à vaga do jurista Helio Jaguaribe, morto em setembro. 

“Eu abri caminho para muita gente nova e chegou este momento em que pensei: por que não ser reconhecido pelo que fiz e pelo que estou fazendo?”, comentou o escritor que nasceu em Araraquara em 1936.

Jornalista com passagens pelas redações do jornal Última Hora e de diversas revistas, Loyola Brandão é também, desde 1993, cronista do Estado – primeiro no então caderno Cidades e, a partir de 2000, no Caderno 2. Suas crônicas são publicadas quinzenalmente, às sextas.

Ele estreou na literatura em 1965 com o os contos de Depois do Sol, e seu livro preferido é Dentes ao Sol (1976), seu “maior fracasso”. O reconhecimento maior veio com os romances Zero (1975), censurado na ditadura militar e publicado primeiro na Itália – e que vendeu, aqui, cerca de 900 mil exemplares –, e Não Verás País Nenhum (1981), seu best-seller, com 1 milhão de cópias comercializadas. Ele é autor, ainda, de Bebel Que a Cidade Comeu (1968) e de Obscenidades Para Uma Dona de Casa (1981), entre outras obras.

No ano passado, depois de uma década sem publicar ficção, o escritor voltou ao romance e lançou Desta Terra Nada Vai Sobrar, a Não Ser o Vento Que Sopra Sobre Ela – uma obra que nasce de sua observação do “momento confuso atual do Brasil”. O livro, apocalíptico, é ambientado num tempo incerto e retrata, por meio de viagens de Felipe e Clara, os protagonistas, um Brasil caótico, com 1.080 partidos políticos. A obra acaba de ganhar sua primeira reimpressão. 

“Este é um livro que mais do que nunca está representando esse Brasil de hoje”, ressaltou. “Já me perguntaram: onde está o livro realista? É impossível ser realista diante de uma atitude tão absurda como essa que estamos vivendo. O único caminho que vejo é o da chamada distopia. No meu livro tem um presidente que não tem mais coração, outro que não tem mais sangue e outro que nem existe.”

Além do reconhecimento e prestígio, Ignácio de Loyola Brandão tem outro motivo para comemorar sua entrada na Academia Brasileira de Letras. “Estou muito feliz porque a minha geração chegou aqui: João Ubaldo Ribeiro, Moacyr Scliar, Nélida Piñon, Antonio Torres e agora eu. Uma geração 1960-1970 que batalhou muito pelo País, e que batalhou numa época muito difícil – e que estamos entrando em outra igual”, disse.

“Nosso papel, aqui, vai ser o de defender a liberdade – a liberdade para a arte, a liberdade de imprensa – e continuar a retratar, como eu fiz até hoje, esse Brasil. Eu nunca deixei de acreditar, nunca deixei de fazer. Sou pequeno e magrinho, mas nunca perdi a força”, completou. 

Ignácio de Loyola Brandão também é autor de uma série de coletânea de crônicas – a maioria publicada pelo Estado. Os volumes mais recentes são Se For Para Chorar, Que Seja de Alegria (2016) e O Mel de Ocara – Ler, Viajar, Comer (2013). Toda sua obra é publicada pela Global, com exceção de alguns infantis, como O Menino Que Vendia Palavras (Companhia das Letras), vencedor do Prêmio Jabuti, e Os Olhos Cegos dos Cavalos Loucos (Moderna), um pedido de desculpas tardio ao avô por causa de uma arte feita na infância.

“Imagina: sair de Araraquara e chegar aonde cheguei. Estou muito feliz. Nem acredito”, disse o novo escritor imortal.

​Escritores comentam eleição de Ignácio de Loyola Brandão para a ABL

"É fantástico quando um escritor com uma obra de tamanha importância, tanto em qualidade quanto em quantidade é eleito para a ABL. ‘Não Verás País Nenhum’ é profético na questão ambiental e na decadência brasileira” 

André Sant’Anna

ESCRITOR

 

“Em 1974, ‘Zero’ foi um livro que todo mundo queria ler, mas ninguém tinha acesso, porque havia sido recolhido pela censura. A eleição de Brandão pode aproximar a ABL do leitor” 

Reinaldo Moraes

ESCRITOR 

 

“Fazia tempo que Loyola estava merecendo. Ele escreveu um dos livros mais importantes da minha geração, que é o ‘Zero’. Eu li em xerox na época” 

Marcelo Rubens Paiva

ESCRITOR E CRONISTA DO ‘ESTADO’

 

“Ignácio de Loyola Brandão é um dos expoentes da literatura brasileira contemporânea, com méritos de sobra para pertencer à casa de Machado de Assis, onde estamos todos muito felizes com esta sua expressiva vitória” 

Antonio Torres

ESCRITOR E IMORTAL DA ABL

/ COLABOROU ANDRÉ CÁCERES

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.