PEANUTS © UFS, Inc/ Divulgação
PEANUTS © UFS, Inc/ Divulgação

História em quadrinhos Peanuts comemora 60 anos

A filha de Schulz, Jill, atribui o sucesso fenomenal de Peanuts a seus temas universais

Bernd Debusmann Jr. , Reuters Life!

01 de outubro de 2010 | 11h11

A Peanuts, história em quadrinhos que encantou centenas de milhares de pessoas pelo mundo com a excentricidades de Charlie Brown, Snoopy, Lucy e Linus, vai comemorar seu aniversário de 60 anos neste sábado (2).

As histórias em quadrinhos apareceram em mais de 2 mil jornais em 72 países e em 21 línguas, e continua, em reprises.

Seus adoráveis personagens, Linus com seu cobertor, a mandona Lucy com sua tenda de limonada, o ansioso Charlie Brown e Snoopy, com sua máquina de escrever e fantasias de ser Red Baron, atraíram crianças e adultos de todas as idades, aparecendo em livros, peças de teatro, programas de TV e em filmes.

A filha de Schulz, Jill, atribui o sucesso fenomenal de Peanuts a seus temas universais.

"A temática e os personagens abordam questões com as quais pessoas de todas as gerações conseguem se identificar, como vencer e perder. Não importa o quanto avançamos como sociedade, todos conseguem se identificar com eles", explicou.

Os personagens se tornaram como uma família para ela. "Eles eram como irmãos, mas não podiam discutir comigo."

Jeannie Schulz acredita que o sucesso das histórias em quadrinhos de seu marido se devia à capacidade de transmitirem emoções humanas comuns de forma simples.

"As pessoas adoram a simplicidade e a clareza dos desenhos e da linguagem. Sempre sabíamos que os personagens lidavam com emoções, medos, desejos e inseguranças humanas", disse ela.

A tira original, desenhada por Charles M. Schulz, circulou pela primeira vez no dia 2 de outubro de 1950 em sete jornais, e continuou até o dia 13 de fevereiro de 2000, um dia após a morte de Schulz aos 77 anos.

Um tributo a Schulz e aos personagens do Peanuts está programado durante esse ano nos Estados Unidos e pelo mundo para comemorar o aniversário.

Jeannie Schulz disse que seu marido teria gostado de saber que seus personagens ainda tinham tantos fãs.

"Ele sempre queria fazer as pessoas felizes. Ele gostaria de saber que pessoas ainda estão gostando. Fazer os outros felizes era uma medida de sucesso para ele."

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
LIVROPEANUTSSESSENTA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.