Divulgação
Divulgação

Guia juvenil, 'Este Livro é Gay' chega às livrarias brasileiras

Reações homofóbicas anteciparam o lançamento deste livro de não ficção para adolescentes escrito pelo britânico James Dawson

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S. Paulo

23 de novembro de 2015 | 04h00

Foi ideia da editora, e o britânico James Dawson titubeou. “Não achava que eu poderia falar por toda a comunidade.” Mas, enquanto ensaiava uma resposta, voltaram à memória todos os seus traumas de adolescência. “Percebi que um livro assim como o que queriam publicar poderia ter me ajudado muito quando eu tinha 15 anos e aceitei o desafio.” A obra em questão, Este Livro é Gay – E Hétero, E Bi, E Trans..., é uma não ficção para adolescentes que estão descobrindo a sexualidade, tentando entender o que ocorre em seu corpo e na sua cabeça, ponderando se assumem ou não que são LGBT – e sem saber como lidar com uma ou outra decisão. E para todos que querem entender e discutir questões de gênero.

O currículo de Dawson justifica a escolha da Hot Key Books. Por oito anos, ele foi professor de matéria que misturava saúde e cidadania em escolas do Reino Unido. Em 2013, publicou Being a Boy, um guia sobre puberdade, sexo e relacionamento para meninos. É autor, ainda, do romance juvenil Hollow Pike e dos thrillers, também juvenis, Cruel Summer e Say Her Name. E, em 2014, foi o primeiro homem a ser coroado Rainha dos Adolescentes – prêmio que não tem nada a ver com gênero, mas que celebra “escritores incríveis que levam alegria para a vida dos leitores e que tratam de assuntos da vida real e do crescimento de uma forma honesta, engraçada e que entretém”, como definem os organizadores. 

Em Este Livro é Gay, que chega amanhã, 24, às livrarias brasileiras, ele diz que pretende falar para adolescentes que estão pensando em sua identidade e também para pessoas um pouco mais velhas, que já estão prontas para ouvir conselhos práticos sobre sexo e relacionamento. É algo na linha de ‘tudo o que você sempre quis saber e teve vergonha de perguntar’. Ou não teve para quem perguntar. O Que Está Acontecendo Comigo dos tempos modernos. Um manual prático que aborda das perguntas mais elementares às mais complicadas, que fala de clichês e estereótipos, biologia, família, sociedade, religião, bullying, saúde, homofobia, e que explica o significado de cada uma das letras da siglas LGBT, LGBTT e LGBTQ, além de tratar de muitos outros temas urgentes – mas que nem por isso tornarão o livro menos polêmico e alvo de ataques.

Quando a WMF Martins Fontes anunciou, em abril, que publicaria Este Livro é Gay no País, muita gente criticou e esbravejou nas redes sociais. Alguns disseram que isso não é coisa a se ensinar às crianças, que por isso o Brasil não ia para a frente e que não se deveria incentivar a ditadura gay – para ficar em exemplos sem palavrão, ofensa ou ódio. Foi tanto barulho que a editora decidiu antecipar o lançamento para este ano – a previsão era 2016. “Nunca tivemos dúvidas de que deveríamos lançá-lo aqui. Drauzio Varela afirma que ‘a homossexualidade é uma ilha cercada de ignorância por todos os lados’. Sua leitura não poderia ser mais simples e precisa. No Brasil, a falta de informação e, consequentemente, o preconceito em torno da homossexualidade são assustadores. Em todos os setores da sociedade, das ruas ao Congresso Nacional, reina a ignorância”, diz o editor Alexandre Martins Fontes.

“As reações foram positivas na maioria dos lugares onde o livro foi publicado. Eu estava um pouco preocupado com relação à América da Norte porque eles podem ser mais conservadores, mas os bibliotecários têm sido maravilhosos. Acredito que, se as reações são negativas, isso comprova que o livro é ainda mais importante para os jovens que precisam dele. Que ele seja, então, um farol de esperança”, disse o autor. Sobre a discriminação, ele diz: “A única forma de combatê-la é falar abertamente e alto. Sempre”.

Para ter certeza de que seu livro seria útil para a comunidade LGBT, o autor saiu a campo, entrevistou mais de 300 pessoas e incluiu esses depoimentos na obra, amplamente ilustrada por Spike Gerrell.

A tradução para o português foi feita por Rafael Mantovani. E a editora convidou o jornalista Vitor Angelo, autor do Blogay, para fazer a revisão técnica e adaptações. Por exemplo, no capítulo Um guia para reconhecer seus santos e santas gays, que tem de Abba e Alan Turing a Judy Garland e Judith Butler, ele incluiu alguns tantos brasileiros. Leis, associações e telefones/sites úteis daqui também foram reunidos por Angelo, que não conseguiu ver o livro impresso. Ele morreu na 5.ª, 19, aos 47 anos.

James Dawson trata com leveza questões que nem sempre foram tranquilas para ele. No entanto, sempre que escreve sobre transgênero, ele começa dizendo que é tudo “complicado”. E aí vem uma explicação importante. O livro foi escrito e lançando quando James era assumidamente gay. Mas agora, aos 30 e poucos (ele não revela), depois de um longo processo de amadurecimento e aceitação, ele inicia outro caminho – que será igualmente longo e dolorido: a sua transformação em mulher. A foto que vemos acima já não retrata a pessoa com quem o Estado falou na semana passada. Seu cabelo está mais comprido e alaranjado. As roupas são femininas, assim como o gestual. E isso é só o início. Em dezembro, ele começa o tratamento com hormônios, intensifica as compras e começa a pensar em outras coisas práticas, como documentos. Não tem certeza de como se chamará, e por ora quer que as pessoas se refiram a ele como James e usando o pronome masculino. O processo será acompanhado pelo público. 

O lançamento deste livro no Brasil é apenas um exemplo de um movimento que se intensifica no mercado editorial, especialmente quando o foco são os adolescentes. Há uma série de obras do gênero nas livrarias, como Will & Will (Galera Record), de David Levithan, autor de outros importantes títulos, e John Green; A Arte de Ser Normal (Rocco), de Lisa Williamson; Sobre Garotos Que Beijam Garotos, de Enrique Coimbra (Flupp e Casa da Palavra), etc. E vem mais por aí. Em 2016, a Planeta lança um livro escrito por Pedro HMC, um dos idealizadores do canal Põe na Roda – sucesso no YouTube. E a editora Hoo, criada especificamente para editar ficção LGBT, já apresenta seus primeiros títulos: Nicotina Zero e Torta de Climão

“É ótimo que a diversidade esteja aparecendo nos livros, mas devemos ter muito cuidado para que isso não vire moda. Ser LGBT não é um modismo, é a nossa vida”, diz James Dawson.

ESTE LIVRO É GAY

Autor: James Dawson

Trad.: Rafael Mantovani

Editora: WMF Martins Fontes (274 págs.; 39,90)

Tudo o que sabemos sobre:
Literatura

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.