Nancy Siesel/The New York Times
Nancy Siesel/The New York Times

George Steiner, crítico literário, morre aos 90 anos

Seus textos frequentemente lidam com o paradoxo do poder moral da literatura

Redação, O Estado de S. Paulo

03 de fevereiro de 2020 | 18h14

O crítico literário francês George Steiner morreu nesta segunda-feira em sua casa em Cambridge, Inglaterra, aos 90 anos. As informações são do New York Times e foram confirmadas pelo filho de Steiner.

As críticas de Steiner, que também era ensaísta, escritor de ficção e professor, frequentemente lidam com o paradoxo do poder moral da literatura e sua impotência diante de um evento como o Holocausto. Ao lado de Harold Bloom, morto em outubro, ele argumentou em nome do cânone da arte ocidental e contra uma procissão de movimentos críticos, desde a Nova Crítica dos anos 50 até o pós-estruturalismo e a desconstrução da década de 1960, cujo advento ele previa em um ensaio inicial, O Retiro da Palavra.

A visão quase religiosa da literatura formou seu primeiro livro, o estudo comparativo Tolstoi ou Dostoiévski (1959), que leva o subtítulo Um Ensaio na Antiga Crítica.

"A velha crítica é gerada pela admiração", escreveu ele no primeiro capítulo. “Às vezes, se afasta do texto para considerar o propósito moral. Considera a literatura existente não isoladamente, mas como central para o jogo das energias políticas históricas. Acima de tudo, a velha crítica é filosófica em alcance e temperamento”, afirma.

Tudo o que sabemos sobre:
George Steiner

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.