EFE
EFE

Gabriel García Márquez é homenageado em festival de Cinema de Cartagena

Mostra lembra os filmes que influenciaram a criação literária do autor

EFE, O Estado de S. Paulo

16 de março de 2015 | 09h10

CARTAGENA - A 55ª edição do Festival Internacional de Cinema de Cartagena das Indias (Ficci) fez neste domingo, 15, uma "sentida homenagem" ao Prêmio Nobel de literatura Gabriel García Márquez, e lembrou sua paixão pela sétima arte.

O Ficci programou a retrospectiva Gabo: os filmes da minha vida para lembrar os filmes que foram pedras angulares na criação literária do autor de Cem anos de solidão.

"Gabo era um cineasta. Nunca foi a uma academia onde ensinassem literatura, ele, como literato, foi autodidata, mas como cineasta se educou no centro de formação de Roma", explicou à Agência EFE o diretor de cinema colombiano Lisandro Duque, presente no festival.

Segundo Duque, García Márquez "mantinha a tentação pelo cinema à flor de pele e a prova de isso é que talvez haja mais filmes baseados nos temas de Gabo do que o número de romances que ele escreveu".

Neste sentido, assinalou que a razão pela qual se costuma menosprezar a cinematografia de García Márquez é porque já "existe o antecedente, essa espécie de pecado original de sua literatura que é genial", argumentou Duque, atual gerente do Canal Capital, a televisão pública de Bogotá.

O criador de Macondo recebeu em 1982 o Prêmio Nobel e em 1986 fundou a Escola Internacional de Cinema e Televisão de San Antonio de los Baños de Cuba, da qual Duque foi diretor entre 1994 e 1996.

Essa foi, disse Duque, a grande contribuição que fez Gabo, criar uma escola para jovens, principalmente do Terceiro Mundo, em uma época em que não podiam aspirar a se formar em universidades de cinema porque não havia esse tipo de escolas em seus países.

"Então a Escola Internacional de Cinema e Televisão formou muitos cineastas, a maioria sem recursos que, de outra maneira, não teriam podido estudar", acrescentou.

Na opinião de Duque, García Márquez enriqueceu o pessoal de cinema na América Latina, na África, na Ásia e inclusive na Europa com criadores que "tinham um conceito diferente do ofício".

O Ficci será encerrado pelo diretor colombiano Rodrigo García Barcha, filho de Gabo, que apresentará seu trabalho mais recente, "O último dia no deserto".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.