Janete Longo/AE
Janete Longo/AE

Fundador da Cosac Naify fala sobre trajetória na arte e mercado literário

Empresário conta em entrevista à Rio Bravo caminhos que o levaram à produção de livros; ouça podcast

estadão.com.br,

05 de agosto de 2011 | 14h48

SÃO PAULO - A editora Cosac Naify está no mercado brasileiro há pouco mais de dez anos. Criada em 1997 por Charles Cosac e seu cunhado Michael Naify, é considerada uma das mais sofisticadas editoras brasileiras. Já o primeiro lançamento, Barroco de Lírios, de Tunga, tinha mais de dez tipos de papéis e 200 ilustrações. Entre as centenas de títulos publicados pela marca, obras de autores vencedores de prêmios importantes como o Nobel, a exemplo de Samuel Beckett e Pablo Neruda.

 

Um dos fundadores que dá nome à marca, Cosac, formado em arte na Inglaterra e Rússia, começou a se interessar pela área muito cedo. Já aos 13 anos ingressara em um curso na Escola de Artes Visuais do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro.

 

O empresário revelou, no entanto, em entrevista à Rio Bravo, que só passou a trabalhar mesmo com arte quando fundou a Cosac Naify, com seu colega de faculdade e melhor amigo, há 14 anos atrás, depois de estudar na Inglaterra e na Rússia.

 

"Eu estava em Saint Petersburgo e surgiu alguém querendo patrocinar o livro de Simon Franco, que eu conheci alguns anos antes. Foi a minha primeira experiência com livro, uma experiência muito remota, mas muito gratificante. Fiquei cinco meses no Brasil, na casa dos meus pais no Rio de Janeiro, viajei para a Europa algumas vezes, fiquei uma temporada em Goiânia, vim para São Paulo, foi a minha primeira estadia longa, foi quando me apaixonei por São Paulo e por fazer livros, dizem que é vicio e depois do primeiro você não consegue parar", conta sobre seu início no mercado e sobre o motivo decisivo que o trouxe de volta ao País depois de longa estada no exterior.

 

Cosac revela ainda que foi Naify que o alertou sobre a importância do planejamento e que aprendeu a cuidar da editora na prática. "Talvez eu tivesse tido mais cautela a editora estaria em uma situação mais avançada do que ela ainda está. a minha ignorância custou muito caro. Mas eu aprendi mesmo fazendo", completa.

 

Charles Cosac fala ainda sobre sua trajetória na Europa, os caminhos de sua editora, literatura e mercado. Ouça a entrevista na íntegra no site da  Rio Bravo.

Tudo o que sabemos sobre:
PodcastCosac NaifyCharles Cosac

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.