Kirsty Wigglesworth|AP
Kirsty Wigglesworth|AP

Fólios de 'Holy Grail', de Shakespeare, estão à venda

Objetos serão exibidos em Nova York de 1º a 8 de abril e em Londres de 20 a 28 de abril antes de serem vendidos em maio

AP

17 de março de 2016 | 16h14

William Shakespeare morreu há 400 anos, mas nunca sua cotação esteve tão alta. Coincidindo com o aniversário do Bardo, a Christie's está pondo à venda cópias das quatro primeiras edições de suas peças - uma coleção que a chefe dos leilões de livros da casa, Margaret Ford, chama de "o Santo Graal' da impressão. 

Os quatro fólios (livros antigos numerados por folhas, não por páginas) serão exibidos em Nova York de 1º a 8 de abril e em Londres de 20 a 28 de abril antes de serem vendidos em Londres, em 25 de maio. 

O Primeiro Fólio, publicado em 1623, reúne 36 peças, 18 das quais não foram anteriormente impressas e de outro modo estariam perdidas. Também consolida o status de Shakespeare como escritor sério, merecedor - o que não era usual para um dramaturgo da época - de um livro com capa de couro. 

Edições posteriores, publicadas em 1632, 1663 e 1685, ajudaram a preservar o trabalho do dramaturgo; o terceiro fólio inclui uma peça adicional: Péricles, Príncipe de Tiro. 

O Primeiro Fólio posto à venda pela Christie's, está avaliado entre £ 800 mil e £ 1,2 milhão (US$ 1,1 milhão e US$ 1,7 milhão). A Christie's informa que esse e dois dos outros fólios são de uma coleção particular "discreta e fora dos círculos" da Europa e não são vistos em público há 200 anos. 

Os demais fólios são menos valiosos que o Primeiro, mas Margaret Ford ressalva que "dá para contar nos dedos de uma mão" o número de colecionadores que possuam todos os quatro. Os volumes serão vendidos em lotes separados, embora Margaret ache que um colecionador rico possa se ver tentado a comprar todos. "Alguém que queira tornar-se o primeiro a levar (fólios de) Shakespeare para a China, por exemplo." 

O Bardo é hoje uma grife mundial. O aniversário de sua morte, ocorrida em 23 de abril de 1616, já está sendo marcado por eventos em todo o mundo, de um festival em Chicago a performances na terra do dramaturgo, Stratford-upon-Avon. 

O Globe Theatre, do qual Shakespeare foi um dos sócios, está encerrando um tour de dois anos que levou Hamlet a quase 200 países. "Há muitas verdades ali, e Shakespeare parece falar a todas as idades", diz Margaret. "Acho difícil imaginar um mundo literário do qual Shakespeare não seja a frente e o centro." / TRADUÇÃO DE ROBERTO MUNIZ

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.