Reprodução
Reprodução

Flip termina edição online em 2021 com depoimentos emocionantes

Festa literária teve mesas memoráveis, como a que reuniu Alice Walker e Conceição Evaristo

Ubiratan Brasil, O Estado de S.Paulo

06 de dezembro de 2021 | 05h00

Foram 19 encontros em formato virtual, todos inspirados em plantas e florestas – a 19ª Festa Literária Internacional de Paraty, a Flip, no entanto, revelou-se um enorme palanque para discussões mais amplas, envolvendo raça, cidadania, gênero, ancestralidade e política. Com uma maior duração (começou em 27 de novembro e terminou neste domingo, 5), o evento manteve sua tradição de oferecer encontros memoráveis.

Como o do sábado, 4, que reuniu a brasileira Conceição Evaristo e a americana Alice Walker, sob a mediação de Djamila Ribeiro. Unidas pela larga e tortuosa experiência de vida, as duas escritoras logo estabeleceram uma afetuosa conexão, como que unidas pela ancestralidade. Juntas, falaram sobre a forma com que se manifestam como mulheres negras. “Acredito que nosso principal trabalho é o de lembrar os motivos que explicam nossa existência nesse mundo a fim de florescermos com eles”, disse Alice, ressaltando que não deixou de ser atacada mesmo depois que seu principal livro, A Cor Púrpura, venceu o prêmio Pulitzer de ficção, o primeiro para uma autora negra.

Conceição logo emendou com uma bela frase: “A fala que prefacia os nossos textos é a de nossas ancestrais. Falar sem elas seria falar no vazio, são nossas vozes matrizes que, na maioria das vezes, se realizaram no silêncio. A gente pega esse silêncio e o transforma em gritos”. Lembrou ainda que aquele seu primeiro encontro com Alice se assemelhava à colheita de um plantio que levou tempo mas rendeu frutos.

Aborto

Questionadas ainda sobre a liberdade em relação aos próprios corpos, Alice emocionou ao lembrar que fez um aborto na adolescência vivida na pobreza. “Você não consegue cuidar de nada nem se desenvolver a nada se não for primeiro dona de si mesma. Se tiver toneladas de dinheiro, tempo, talento, 12 filhos e alguém para cuidar deles, ainda sim vai ser demais. Essa questão é fundamental. Não vamos progredir se tivermos mais filhos do que pudermos sustentar”, disse ela, indignando-se com o fato de o Texas proibir o aborto.

O encontro seguinte, no mesmo dia, foi mais lírico, unindo o escritor chileno Alejandro Zambra e a poeta mineira Ana Martins Marques, sob mediação de Rita Palmeira. Juntos, traçaram um paralelo entre as artes de cultivo e de escrita. Ana Maria vê nos jardins uma “tentativa de aproximação, ao mesmo tempo uma certa consciência de fratura”. Já Zambra comparou o título de uma de suas principais obras, Bonsai, com a sensação de repressão ao escrevê-la. “Bonsai são árvores pequenas, reprimidas, o que as torna muito comoventes”, disse.

Ao longo da semana, a Flip foi marcada por encontros instigantes, com pronunciamentos importantes, especialmente em relação à importância do meio ambiente e sua constante degradação. “Nós, como autores, estamos dando um testemunho do nosso tempo e espaço. Viver seja no Brasil ou em Moçambique é viver num espaço onde a natureza faz parte da nossa vida de uma maneira muito intensa”, afirmou o escritor Itamar Vieira Junior.

Já a canadense Margaret Atwood aposta em utopias para criar novos modelos de vivência que previnam mudanças climáticas. Tarefa a ser assumida pelos cidadãos, “que têm que avisar aos políticos que, se não agirem pelo meio ambiente, não vão ser eleitos”.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.