Divulgação
Divulgação

Flip mantém Paulo Werneck na curadoria, altera data e quer ouvir sugestões de nomes

Entre 15 de outubro e 15 de fevereiro, autores, editores e o público em geral poderão dizer quem gostariam de ver na Flip 2016

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S. Paulo

09 Outubro 2015 | 17h10

Curador das duas últimas edições da Festa Literária Internacional de Paraty, Paulo Werneck continuará à frente da programação do evento em 2016 e já anuncia duas novidades. 

A primeira é a ligeira antecipação da data. Realizada geralmente na primeira semana de julho, a próxima Flip será entre 29 de junho e 3 de julho. Werneck diz que esta é uma decisão estrutural, que leva em conta demandas locais, e não de curadoria. 

Paraty tem estado mais vazia nas últimas edições da Flip. Este ano, surpreendentemente e pela primeira vez, havia ingressos para diversas mesas às vésperas do festival - que teve um balanço positivo apesar da ausência de grandes nomes, como historicamente tem. Já passaram por lá, entre outros, Eric Hobsbawm, Amos Oz, David Grossman, Orhan Pamuk, J. M. Coetzee, Lobo Antunes e Nadine Gordimer. 

Mas a Flip é, também, espaço de descoberta de novos autores, como ocorreu este ano com a poeta portuguesa Matilde Campilho, a best-seller do evento. E, se por um lado ela tem essa característica de apresentar escritores, por outro ela quer conhecer a vontade do público e quer ouvir mais as sugestões dos editores. A segunda novidade, então, diz respeito a uma curadoria mais colaborativa.

“Estamos montando uma temporada de sugestões, aberta entre 15 de outubro e 15 de fevereiro”, conta Werneck. Isso será feito no site do evento, por meio de um formulário. Não será apenas um lance de nomes. “Pedimos que as pessoas mandem o máximo de material possível, inclusive livros (no caso de autores e editores)”, explica. “E, se houver um clamor por Philip Roth, é bom que a gente saiba”, diz. Mas o sonho de Paulo Werneck é trazer Milan Kundera.

“Muitos editores que vão são pequenos e às vezes nem sabem o caminho das pedras - e acabam achando que a Flip é só para os grandes. Não é”, diz Werneck, que reitera que já existia um canal entre organização e editoras, mas a ideia agora é ampliar o acesso a ele. “Queremos mostrar que a Flip não é uma torre de marfim”, comenta. 

É possível que as mesas boêmias de 2015 continuem, diz o curador. O autor homenageado deve ser anunciado logo.

Mais conteúdo sobre:
Cultura Literatura Flip

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.