Debora Monteiro
Debora Monteiro

Flip fica de fora do edital de feiras literárias do governo federal

Foram divulgados os resultados do chamamento público para seleção de projetos de feiras e eventos literários; Bienal do Livro de São Paulo também não conseguiu

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S. Paulo

03 de dezembro de 2019 | 15h08
Atualizado 04 de dezembro de 2019 | 11h15

Depois de escolher a poeta americana Elizabeth Bishop como a autora homenageada de 2020, o que gerou muita polêmica e revolta no meio literário por sua defesa do golpe de 64, a Festa Literária Internacional de Paraty (FLIP) acaba de sofrer um novo revés: perdeu o Edital de Feiras e Ações Literárias da Secretaria da Economia da Cultura.

A Flip se classificou em terceiro lugar na categoria de projetos de R$ 500 mil (são três categorias). Mas apenas os dois primeiros colocados vão receber o investimento. São eles: Feira do Livro de Porto Alegre e Feira Internacional do Livro de Ribeirão Preto. Os dois projetos tiveram 46 pontos no total. A Flip teve 44 e foi seguida pela Bienal do Livro de São Paulo e Bienal Brasil do Livro e Leitura, de Brasília - elas receberam 42 pontos cada uma.

No ano passado, a Flip ficou em segundo lugar e ganhou o edital - a feira de Ribeirão foi a primeira colocada naquele ano.

Entre os objetivos estão ampliar o acesso ao livro e à leitura nos municípios brasileiros; promover, valorizar e difundir a literatura brasileira e a circulação de autores e obras com ênfase na bibliodiversidade; ampliar a oferta de formação e difusão do conhecimento voltada para os profissionais que atuam no setor (escritores, ilustradores, editores, livreiros, mediadores, bibliotecários, entre outros); fortalecer a cadeia produtiva e a economia do livro; estimular a formação de leitores e práticas de leitura; e contribuir com a sustentabilidade econômica de profissionais, pequenas e médias editoras e livrarias, entre outros empreendimentos do setor.

O chamamento público foi publicado no dia 11 de outubro. O processo de seleção, segundo o edital, ocorreu entre os dias 11 e 16 de novembro. Nos bastidores, questiona-se se a escolha de Elizabeth Bishop teria tido alguma influência na decisão. Segundo o edital, a comissão de seleção é formada por “membros de reconhecida atuação na área cultural e capacidade de julgamento”.

A Flip só anunciou a homenagem no dia 25 de novembro, mas no dia 5 de outubro o colunista Ancelmo Gois, do Globo, já dava como certo o nome da poeta americana, que escreveu cartas para amigos elogiando o golpe e com outras declarações controversas sobre o Brasil e a política. Uma outra hipótese levantada nos bastidores é a de uma decisão também política, mas em outro sentido. A Flip é o considerada um dos principais eventos literários do País e recebe escritores do mundo todo para debater literatura e todo tipo de assunto.

Segundo o edital, são cinco critérios de avaliação, incluindo histórico do evento e impacto social e econômico, e, segundo a assessoria de imprensa da Secretaria da Economia da Cultura, essa comissão de seleção é formada por servidores da Cultura. São eles: Ana Cristina Araruna Melo (DLLLB/SEC/SECULT), Ana Maria da Costa Souza (DLLLB/SEC/SECULT), Andrea Santos Guimarães (DEPEC/SEC/SECULT), Juliana Andrade (DLLLB/SEC/SECULT), Marcus André Chagas Rocha (DLLLB/SEC/SECULT), Maria Lídice Pimentel Borges (DLLLB/SEC/SECULT), Nayara Fátima Macedo de Medeiros Albrecht (DLLLB/SEC/SECULT), Nelma Elisa de Freitas (DLLLB/SEC/SECULT) e Ricardo Prates Bassi (DEPEC/SEC/SECULT).

Este ano, segundo o extinto MinC, que fez uma pesquisa em parceria com a Fundação Getúlio Vargas, a Flip gerou um imapcto de R$ 47 milhões.

Posicionamento da Flip

“Não acreditamos que a homenagem à Elizabeth Bishop tenha qualquer influência no resultado deste edital de feiras e ações literárias – sua escolha foi anunciada em 21 de novembro; a homangem da Flip, no dia 25, portanto, quatro dias depois. É importante dizer que, diferentemente de em 2018, quando três iniciativas foram contempladas, a Flip entre elas, este ano apenas duas receberam o incentivo. Há muitos eventos merecedores do prêmio e estamos felizes com a premiação dos vencedores. O ciclo de captação de recursos da Flip começou em agosto e se estende até julho do ano que vem", disse Mauro Munhoz, diretor artístico da Flip.

Outros projetos apoiados

Seis eventos vão receber apoio de R$ 125 mil: Festival Literário Nísia Floresta, Salão do Livro Infantil e Juvenil de Minas Gerais, Feira do Livro de Resende, Mostra Candeia, Primavera Literária e Feira do Livro de Arroio do Meio.

Já na categoria R$ 250 mil, os três projetos selecionados foram: Salão do Livro de Imperatriz, Festa Literária Internacional do Xingu e Bienal do Livro de Volta Redonda.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.