Walter Craveiro/Flip
Walter Craveiro/Flip

Festa Literária de Paraty cresce, apesar da falta de estrelas

A 17.ª edição do evento se encerrou no domingo, 14, consolidando um crescimento de público na programação principal – foram 8,6 mil acessos à tenda principal contra 7,2 mil em 2018

Guilherme Sobota, O Estado de S. Paulo

14 de julho de 2019 | 22h36

Paraty - A 17.ª Festa Literária Internacional de Paraty se encerrou no domingo, 14, consolidando um crescimento de público na programação principal da Festa – foram 8,6 mil acessos à tenda principal (que cobra pelos ingressos), frente a 7,2 mil em 2018. A homenagem a Euclides da Cunha trouxe um tom fortemente político ao evento, bem como colocou em discussão aspectos atuais da obra do escritor e atualizou alguns de seus fatores contraditórios, como traços apontados como racistas.

“Como o Ailton Krenak falou, não teria como homenagear Euclides e Canudos não baixar em Paraty”, disse a curadora desta edição, Fernanda Diamant, na coletiva de encerramento do evento. “A escolha do homenageado toca em pontos nevrálgicos de debates diversos e atuais. Além disso, a programação paralela também usa o homenageado para se relacionar com a Flip.”

Ela afirmou não ter buscado um direcionamento ideológico na escolha dos convidados, até porque o próprio Euclides da Cunha antecede a polarização política atual. “A ideia era discutir questões mais gerais. O autor toca em tantos pontos, então é possível desenhar uma programação falando não só da obra, mas sobre os temas com que ele aponta”, disse Diamant.

O diretor da Associação Casa Azul, Mauro Munhoz, disse que o próximo curador da festa será anunciado em outubro, mas deu uma indicação de que Diamant continuará na posição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.